terça-feira, julho 31, 2007

Serões de Verão no Gondramaz


Numa iniciativa denominada “Serões de Verão no Gondramaz”, numa parceria entre a Câmara Municipal de Miranda do Corvo, o apoio da Sinergiae, Ecoturismo e Planeamento, Lda. e a gentileza do Dr. Luís Freitas e do Sr. Fernando Silva, a Aldeia do Gondramaz será brindada com os sons da música jazz e da música portuguesa, tendo por cenário os sons da noite da Serra da Lousã e o silêncio do xisto.

3 de Agosto, Gondramaz

21h30: Concerto de Jazz com o grupo “Ap Trio”

4 de Agosto, Gondramaz

21h30: Concerto Gent’ilesa — Teresa Gentil (música portuguesa)

22h00 — 24h00: Sessão de Astronomia

5 de Agosto, Praça José Falcão, Miranda do Corvo

17h00: Peça de teatro infantil “A Menina Azul” pelo grupo “Descalças – Cooperativa cultural”

Será disponibilizado transporte, às 21h00 a partir da Câmara Municipal, devendo para isso proceder à inscrição no Posto de Turismo de Miranda do Corvo, Avenida José Falcão, Telef.: 239 530 316.

Fonte C.M.M.C.

segunda-feira, julho 30, 2007

Gondramaz - Ciclo Gastronómico e Cultural das Aldeias do Xisto

Visite uma aldeia onde nem só o xisto é Senhor. Usufruir dos sabores desta terra torna-se num prazer inigualável despertando sentidos adormecidos. A visão da beleza natural que se oferece, o contacto das mãos que podem colher ingredientes da Mãe Natureza, o olfacto inebriado dos aromas e perfumes da serra e o canto do rio, tudo conjugado no charme e no requinte da degustação de uma deliciosa refeição típica da aldeia. Reserve o dia 4 de Agosto e participe no primeiro evento do Ciclo Gastronómico e Cultural das Aldeias do Xisto em Gondramaz.

No dia 4 de Agosto, a Aldeia do Xisto do Gondramaz tem o prazer de o desafiar a participar num dos eventos mais históricos e saborosos da aldeia, inserido no Ciclo Gastronómico e Cultural das Aldeias do Xisto, onde pode desfrutar de uma natureza única, e aprender com os habitantes os segredos da cozinha regional.

O programa do evento começa com ponto de encontro pelas 9h30 no Largo da Câmara Municipal de Miranda do Corvo, seguindo-se um percurso pedestre “À procura da Aldeia” com orientação e jogos. Em seguida, os participantes dedicam-se à confecção do pão, para depois almoçar e recarregar baterias para uma tarde cheia de actividades: percurso pedestre “A Natureza e o Céu” e visita ao Observatório no alto da Serra da Lousã, onde todos os participantes têm a oportunidade de se familiarizarem com instrumentos de Astronomia e visitar os aerogeradores do parque eólico de Vila Nova.

Por volta das 19h00, está marcada uma ceia slow food no Observatório da Astronomia, seguindo-se a primeira viagem de regresso a Miranda do Corvo, uma vez que existe uma sessão opcional de astronomia na cúpula do observatório.

A inscrição deverá ser feita até ao dia 2 de Agosto para a Sinergiae, Lda para o telefone 239 821 057 ou 962 929 069 ou para reservas@sinergiae.pt, e tem um preço promocional de lançamento de 50,00 euros por pessoa, possibilitado pelo apoio do Plano de Animação da Rede de Aldeias do Xisto, incluindo todas as actividades e acções, nomeadamente serviço de catering e workshop gastronómico, incluindo almoço e lanche, acompanhamento continuo do percurso de interpretação e das actividades.

Ciclo Gastronómico e Cultural das Aldeias do Xisto:

- 4 de Agosto – Gondramaz

- 6 de Outubro – Fajão

- 1 de Dezembro – Talasnal

As Aldeias do Xisto são constituídas por 24 aldeias distribuídas por 14 Municípios do Pinhal Interior, na Região Centro de Portugal num território de enorme beleza e que oferece infinitas possibilidades de lazer.

Ao longo dos últimos anos, os 24 núcleos foram alvo de um programa de requalificação que permitiu às aldeias adquirir potencial humano de desenvolvimento, transformando-se em pólos de atracção turística dinâmicos que permitem a criação de uma nova base económica que passa, nomeadamente, pela recuperação das tradições, pela valorização do património arquitectónico construído, pela dinamização das artes e ofícios tradicionais e pela defesa e preservação da paisagem em que se enquadram. Este importante trabalho nunca perdeu de vista aquilo que era o seu principal objectivo: melhorar a qualidade de vida das populações das aldeias, elevando os seus níveis de auto-estima, qualificando o seu tecido social e agregando-as num processo participativo de desenvolvimento que é, antes de mais, seu.

Aldeias do Xisto. A descoberta começa aqui.

Fonte: C.M.M.C.

domingo, julho 29, 2007

Azeite na Água

Azeite na Água

Poluir é sinónimo de sujar, conspurcar ou macular.

Desde há cerca de 3 anos, que o Rio Ceira apresenta um cheiro característico a azeite.

Travo e cheiro que se estende à água destinada a consumo humano e proveniente da captação de águas de Segade (Rio Ceira) e que abastece parte da vila e concelho de Miranda do Corvo.

Em 3 anos, os Serviços de Fiscalização nunca conseguiram apanhar o poluidor, a meter o pé em ramo verde.

Estranha-se ainda o facto de estarmos nos finais do mês de Julho e não ser esta a época da azeitona, nem haver lagares em funcionamento nesta época do ano.

Contam-se pelos dedos de uma mão, os lagares em funcionamento, nos Concelhos de Miranda do Corvo e Lousã.

A água em Miranda do Corvo sabe e cheira mal, está imprópria para consumo humano, apresentando elevados teores de gordura, por vezes, o shampoo e o sabonete não lavam e os detergentes da máquina não funcionam.

Havendo uma directiva comunitária quadro da água, que pune severamente os infractores, porque motivo estes ainda não foram apanhados?

Interrogam-se muitos, será lícito a descarga de azeite/bagaço de azeitona ou águas provenientes das lavagens de tanques, no Rio Ceira?

Interrogam-se as populações, como é que o interesse de poucos, se pode sobrepor ao interesse colectivo?

Estarão em causa interesses económicos? Interesses políticos?

Poderá uma indústria ou lagar prejudicar severamente o meio ambiente?

Poderá pôr em risco imponentemente a saúde das populações?

Poderá pôr em causa a fauna e flora de um rio?

Estarão em causa postos de trabalho?

Muitas perguntas e poucas respostas…

Estamos em Portugal!

Texto – Mário Nunes

Mais em:

http://espacoaberto-umanovamiranda.blogspot.com/2007/01/politica-da-gua.html

http://espacoaberto-umanovamiranda.blogspot.com/2006/12/ambiente-curtas-e-directas-rio-ceira-e.html

http://espacoaberto-umanovamiranda.blogspot.com/2006/12/qualidade-da-gua-em-miranda-do-corvo.html

http://espacoaberto-umanovamiranda.blogspot.com/2006/12/gua-imprpria-para-consumo-humano.html

http://espacoaberto-umanovamiranda.blogspot.com/2006/10/alheda-duea-ceira-e-mondego-os-rios-da.html

sábado, julho 28, 2007

Município de Penela Adere ao Programa Território Artes

Foto: Luis Rocha

O Município de Penela integra, desde Fevereiro, o Programa Território Artes, através de um protocolo de participação com o Ministério da Cultura. Penela passa a fazer parte de uma rede de instituições, tendo acesso a uma bolsa de espectáculos e produções culturais a preços mais acessíveis, para apresentação no Concelho.



O Programa Território Artes (PTA) é um programa de descentralização das artes e formação de públicos do Instituto das Artes – Ministério da Cultura, que integra acções que visam criar condições de melhoria do acesso dos cidadãos aos bens culturais e que procuram a correcção de assimetrias regionais e desigualdades sociais, no respeito pelas normas constitucionais que asseguram o acesso de todos os indivíduos à fruição e criação cultural.



O Município de Penela candidatou-se à participação na modalidade Itinerário Cultural – Linha 1, que implicará o compromisso com um agendamento mínimo obrigatório de produções, incluindo agendamentos de espectáculos para público jovem e escolar e de espectáculos em regime de cooperação intermunicipal.



Espectáculos agenciados para Penela através do PTA:
A Ilha Verde/Encerrado para Obras - dia 14 de Junho

O Tetvocal/Penelaartes - dia 14 de Julho

Cantos da Língua do Trigo Limpo Teatro ACERT/Penelaartes - dia 22 de Julho (co-financiado pelo PTA)

Começar a acabar / Teatro do Bolhão - dia 1 de Dezembro

A Submersão do meu ser / Companhia de Dança de Almada - dia 15 de Dezembro (Espectáculo de grande dimensão/ Cooperação Intermunicipais)



Mais informações disponíveis através do endereço http://www.territorioartes.pt.


Pavimentação da Estrada Entre Tábuas e a Senhora da Piedade


A Câmara Municipal de Miranda do Corvo abriu concurso para a pavimentação da estrada entre Tábuas e a Senhora da Piedade.

Esta obra surge na sequência dos trabalhos de colocação de saneamento e pavimentação em Tábuas, realizados em 2005 e 2006.

Nesta mesma localidade foi construído um reservatório para abastecimento de água e mais recentemente foi adjudicada a construção de uma estação de filtragem que beneficiará a qualidade da água.

Tábuas está localizada próximo da Senhora da Piedade de Tábuas, local de grande valor paisagístico e religioso.

A Câmara Municipal de Miranda do Corvo foi também promotora de uma candidatura ao programa AGRIS, concretamente à medida “Recuperação e Valorização do Património Natural da Paisagem e dos Núcleos Populacionais em Meio Rural”. Esta candidatura mereceu parecer favorável.

No âmbito desta candidatura a Câmara Municipal elaborou um projecto de arquitectura para a recuperação do edifício da hospedaria do Santuário da Senhora da Piedade de Tábuas

A recuperação em curso visa devolver a vida a um espaço que caminhou para o esquecimento mas que tem grande potencial.

Fonte: C.M.M.C

Noites de Verão, na Lousã

Para ampliar, clique 2 vezes seguidas sobre o cartaz

quarta-feira, julho 25, 2007

Contra o Medo, Liberdade

«Nasci e cresci num Portugal onde vigorava o medo. Contra eles lutei a vida inteira. Não posso ficar calado perante alguns casos ultimamente vindos a público. Casos pontuais, dir-se-á.

Mas que têm em comum a delação e a confusão entre lealdade e subserviência. Casos pontuais que, entretanto, começam a repetir-se. Não por acaso ou coincidência. Mas porque há um clima propício a comportamentos com raízes profundas na nossa história, desde os esbirros do Santo Ofício até aos bufos da PIDE. Casos pontuais em si mesmos inquietantes. E em que é tão condenável a denúncia como a conivência perante ela.



Não vivemos em ditadura, nem sequer é legítimo falar de deriva autoritária. As instituições democráticas funcionam. Então porquê a sensação de que nem sempre convém dizer o que se pensa? Porquê o medo? De quem e de quê? Talvez os fantasmas estejam na própria sociedade e sejam fruto da inexistência de uma cultura de liberdade individual.



Sottomayor Cardia escreveu, ainda estudante, que "só é livre o homem que liberta". Quem se cala perante a delação e o abuso está a inculcar o medo. Está a mutilar a sua liberdade e a ameaçar a liberdade dos outros. Ora isso é o que nunca pode acontecer em democracia. E muito menos num partido como o PS, que sempre foi um partido de homens e mulheres livres, "o partido sem medo", como era designado em 1975. Um partido que nasceu na luta contra a ditadura e que, depois do 25 de Abril, não permitiu que os perseguidos se transformassem em perseguidores, mostrando ao mundo que era possível passar de uma ditadura para a democracia sem cair noutra ditadura de sinal contrário.

Na campanha do penúltimo congresso socialista, em 2004, eu disse que havia medo. Medo de falar e de tomar livremente posição. Um medo resultante da dependência e de uma forma de vida partidária reduzida a seguir os vencedores (nacionais ou locais) para assim conquistar ou não perder posições (ou empregos). Medo de pensar pela própria cabeça, medo de discordar, medo de não ser completamente alinhado. No PS sempre houve sensibilidades, contestatários, críticos, pessoas que não tinham medo de dizer o que pensam e de ser contra quando entendiam que deviam ser contra. Aliás, os debates desse congresso, entre Sócrates, eu próprio e João Soares, projectaram o PS para fora de si mesmo e contribuíram em parte para a vitória alcançada nas legislativas. Mas parece que foram o canto do cisne. Ora o PS não pode auto-amordaçar-se, porque isso seria o mesmo que estrangular a sua própria alma.



Há, é claro, o álibi do Governo e da necessidade de reduzir o défice para respeitar os compromissos assumidos com Bruxelas. O Governo é condicionado a aplicar medidas decorrentes de uma Constituição económica europeia não escrita, que obriga os governos a atacar o seu próprio modelo social, reduzindo os serviços públicos, sobrecarregando os trabalhadores e as classes médias, que são pilares da democracia, impondo a desregulação e a flexigurança e agravando o desemprego, a precariedade e as desigualdades. Não necessariamente por maldade do Governo. Mas porque a isso obriga o Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC) conjugado com as Grandes Orientações de Política Económica. Sugeri, em tempos, que se deveria aproveitar a presidência da União Europeia para lançar o debate sobre a necessidade de rever o PEC. O Presidente Sarkozy tomou a iniciativa de o fazer. Gostei de ouvir Sócrates a manifestar-se contra o pensamento único. Mas é este que condiciona e espartilha em grande parte a acção do seu Governo.

Não vou demorar-me sobre a progressiva destruição do Serviço Nacional de Saúde, com, entre outras coisas, as taxas moderadoras sobre cirurgias e internamentos. Nem sobre o encerramento de serviços que agrava a desertificação do interior e a qualidade de vida das pessoas. Nem sobre a proposta de lei relativa ao regime do vínculo da Administração Pública, que reduz as funções do Estado à segurança, à autoridade e às relações internacionais, incluindo missões militares, secundarizando a dimensão administrativa dos direitos sociais. Nem sobre controversas alterações ao estatuto dos jornalistas em que têm sido especialmente contestadas a crescente desprotecção das fontes, com o que tal representa de risco para a liberdade de imprensa, assim como a intromissão indevida de personalidades e entidades na respectiva esfera deontológica. Nem sobre o cruzamento de dados relativos aos funcionários públicos, precedente grave que pode estender-se a outros sectores da sociedade. Nem ainda sobre a tendência privatizadora que, ao contrário do Tratado de Roma, onde se prevê a coexistência entre o público, o privado e o social, está a atingir todos os sectores estratégicos, incluindo a Rede Eléctrica Nacional, as Águas de Portugal e o próprio ensino superior, cujo novo regime jurídico, apesar das alterações introduzidas no Parlamento, suscita muitas dúvidas, nomeadamente no que respeita ao princípio da autonomia universitária.

Todas estas questões, como muitas outras, são susceptíveis de ser discutidas e abordadas de diferentes pontos de vista. Não pretendo ser detentor da verdade. Mas penso que falta uma estratégia que dê um sentido de futuro e de esperança a medidas, algumas das quais tão polémicas, que estão a afectar tanta gente ao mesmo tempo. Há também o álibi da presidência da União Europeia. Até agora, concordo com a acção do Governo. A cimeira com o Brasil e a eventual realização da cimeira com África vieram demonstrar que Portugal, pela História e pela língua, pode ter um papel muito superior ao do seu peso demográfico. Os países não se medem aos palmos. E ao contrário do que alguém disse, devemos orgulhar-nos de que venha a ser Portugal, em vez da Alemanha, a concluir o futuro Tratado europeu. Parafraseando um biógrafo de Churchill, a presidência portuguesa, na cimeira com o Brasil, recrutou a língua portuguesa para a frente da acção política. Merece o nosso aplauso.

O que não merece palmas é um certo estilo parecido com o que o PS criticou noutras maiorias. Nem a capacidade de decisão erigida num fim em si mesma, quase como uma ideologia. A tradição governamentalista continua a imperar em Portugal. Quando um partido vai para o Governo, este passa a mandar no partido, que, pouco a pouco, deixa de ter e manifestar opiniões próprias. A crítica é olhada com suspeita, o seguidismo transformado em virtude.



Admito que a porta é estreita e que, nas circunstâncias actuais, as alternativas não são fáceis. Mas há uma questão em relação à qual o PS jamais poderá tergiversar: essa questão é a liberdade. E quem diz liberdade diz liberdades. Liberdade de informação, liberdade de expressão, liberdade de crítica, liberdade que, segundo um clássico, é sempre a liberdade de pensar de maneira diferente. Qualquer deriva nesta matéria seria para o PS um verdadeiro suicídio.



António Sérgio, que é uma das fontes do socialismo português, prezava o seu "querido talvez" por oposição ao espírito dogmático. E Antero de Quental chamava-nos a atenção para estarmos sempre alerta em relação a nós próprios, porque "mesmo quando nos julgamos muito progressistas, trazemos dentro de nós um fanático e um beato". Temo que actualmente pouco ou nada se saiba destas e doutras referências.



Não se pode esquecer também a responsabilidade de um poder mediático que orienta a agenda política para o culto dos líderes, o estereótipo e o espectáculo, em detrimento do debate de ideias, da promoção do espírito crítico e da pedagogia democrática. Tenho por vezes a impressão de que certos políticos e certos jornalistas vivem num país virtual, sem povo, sem história nem memória.



Não tenho qualquer questão pessoal com José Sócrates, de quem muitas vezes discordo mas em quem aprecio o gosto pela intervenção política. O que ponho em causa é a redução da política à sua pessoa. Responsabilidade dele? A verdade é que não se perfilam, por enquanto, nenhumas alternativas à sua liderança. Nem dentro do PS nem, muito menos, no PSD. Ora isto não é bom para o próprio Sócrates, para o PS e para a democracia. Porque é em situações destas que aparecem os que tendem a ser mais papistas que o Papa. E sobretudo os que se calam, os que de repente desatam a espiar-se uns aos outros e os que por temor, veneração e respeitinho fomentam o seguidismo e o medo.



Sei, por experiência própria, que não é fácil mudar um partido por dentro. Mas também sei que, assim como, em certos momentos, como fez o PS no verão quente de 75, um partido pode mobilizar a opinião pública para combates decisivos, também pode suceder, em outras circunstâncias, como nas presidenciais de 2006 e, agora, em Lisboa, que os cidadãos, pela abstenção ou pelo voto, punam e corrijam os desvios e o afunilamento dos partidos políticos. Há mais vida para além das lógicas de aparelho. Se os principais partidos não vão ao encontro da vida, pode muito bem acontecer que a recomposição do sistema se faça pelo voto dos cidadãos. Tanto no sentido positivo como negativo, se tal ocorrer em torno de uma qualquer deriva populista. Há sempre esse risco. Os principais inimigos dos partidos políticos são aqueles que, dentro deles, promovem o seu fechamento e impedem a mudança e a abertura.



Por isso, como em tempo de outros temores escreveu Mário Cesariny: "Entre nós e as palavras, o nosso dever falar." Agora e sempre contra o medo, pela liberdade.»

24.07.2007 - 23h15 , Manuel Alegre, in Público

Na íntegra…

terça-feira, julho 24, 2007

Artes da Lua d'Outono

Celebrando o equinócio

21, 22 e 23 de Setembro 2007

Praça da Canção - Coimbra


O artes da lua d'outono é um encontro animado por grupos, colectivos e indivíduos do espaço alternativo que propõem fazer desta iniciativa uma afirmação da sua cidadania. A festa da liberdade, da individualidade, da fraternidade, interveniente na arte, na criação, no debate, na acção.

Perante a degradação crescente do equilíbrio ambiental e social, só a evolução urgente de comportamentos, hábitos e atitudes que tragam uma alteração positiva e profunda na relação entre indivíduos, a sociedade e a Mãe-Terra pode assegurar a sobrevivência da espécie humana.

Vemos que nos anos recentes se desenvolveu na sociedade a influência de vivências alternativas que têm crescido em número e articulação. Diferentes experiências, organizações e eventos têm contribuído para uma maior visibilidade e capacidade de intervenção. Novas opções estão disponíveis e mais e maiores áreas da nossa vida podem ser saboreadas e construídas, livres dos preconceitos e mercantilismos predominantes.

Programa

Durante os três dias diversas actividades vão realizar-se em paralelo. O programa de animação vai incluir apresentações teatrais, circenses, espectáculos musicais. Haverá espaço para debates, conversas, oficinas, ateliers. Uma área estará disponível para a divulgação de projectos, associações, grupos, iniciativas. Será montada uma cozinha comunitária e está prevista uma área para acampar. Pela sua natureza, é um evento feito por participantes que convida a população de Coimbra a vir desfrutar do que lhe é proposto sendo a entrada livre para todas as actividades.

Encontro de Educação Alternativa

Queremos realizar durante o artes da lua d'outono um conjunto de actividades que permitam o encontro de diferentes experiências e instituições educativas, a reflexão sobre o papel que a educação representa nas nossas vidas, sobre que conteúdos pedagógicos e instituições temos ou podem vir a ser criadas. Que aqui possam germinar novas iniciativas e as já existentes encontrem apoio e divulgação.

Feira de artesanato e produtos naturais

Durante a tarde de dia 21 e os dias 22 e 23 decorrerá a Feira de Artesanato e Produtos Agrícolas e Alimentares Naturais e Caseiros. Se estás interessado em participar com os frutos do teu próprio trabalho, contacta-nos a solicitar o envio do manifesto de participação bem como da ficha de inscrição. O prazo limite para recepção de pedidos é até dia 1 de Setembro.

Como participar

Todo o trabalho de preparação e realização do artes da lua d'outono é desenvolvido de forma voluntária e sem remuneração. Na organização, nas actividades, na animação, todos são convidados a dar o seu contributo. O programa será preenchido com as actividades propostas pelos participantes, de todos esperamos a cooperação nas tarefas de manutenção, da cozinha, de divulgação, nos ateliers. O evento será para cada um a oportunidade de se reconhecer na partilha e na criação.

Todos os recursos económicos obtidos pelo artes da lua d'outono serão utilizados na concretização do mesmo, ou de futuros eventos com o mesmo espírito.

Mais Informação em:

artes@luadoutono.pegada.net

Apartado 6033, 3040-005 Coimbra

Colectivo Germinal - Associação Cultural

Apoio: Câmara Municipal de Coimbra Departamento de Cultura

Nova Bicicletada em Coimbra


É já na 6ª feira dia 27 de Julho. Local de encontro: Largo da Portagem pelas 18h.

Mais em http://massacriticacentro.casainho.net

Protocolo para a exploração da Piscina de Vila Nova


A Câmara Municipal de Miranda do Corvo e o Clube Náutico celebraram um protocolo de exploração da Piscina Municipal de Vila Nova, freguesia do concelho de Miranda do Corvo.

A piscina de Vila Nova, inaugurada em 2005, está enquadrada numa belíssima paisagem natural, com uma vista magnífica da serra (Vila Nova) para o vale (Miranda do Corvo). Esta, tem registado uma grande afluência de utentes, nos dias de maior calor. O Clube Náutico de Miranda do Corvo tem alcançado resultados assinaláveis, muito especialmente com atletas dos escalões de formação.

A Câmara Municipal cedeu a titulo gratuito a exploração da piscina e respectivo bar, tendo o Clube Náutico apenas que manter as piscinas, infra-estruturas de apoio e zonas de lazer envolventes em bom estado de funcionamento, conservação e segurança, nomeadamente efectuando a manutenção das piscinas, incluindo tratamento de águas. A Câmara Municipal assegura ainda os custos de água e electricidade.

Transporte gratuito para a Praia Fluvial da Louçainha


À semelhança do ano anterior, a Câmara Municipal de Penela disponibiliza de 23 de Julho a 31 de Agosto, de segunda a sexta-feira, os seus autocarros para o transporte gratuito, a partir de todas as freguesias do concelho, para todos quantos queiram passar o dia na Praia Fluvial da Louçainha, que este ano hasteia pela primeira vez a Bandeira azul e a Bandeira Acessível.

Reabilitada, mais apelativa e mais funcional, a Praia Fluvial da Louçainha será o palco de múltiplas iniciativas que irão animar aquele espaço durante esta época.

Horário do circuito de transporte para a Louçainha:

8h30 - Podentes
8h45 - Rabaçal
8h50 - Espinheiro
8h55 - Penela (junto à EBI)
9h00 - Casais do Cabra
9h05 - Serradas
9h15 - Cumieira
9h20 - V. das Figueiras
9h25 - V. dos Moinhos
9h30 - Grocinas (Cruz.)
9h35 - Viavai
9h40 - Carvalhais
9h45 - Espinhal (Largo da Fonte)
9h55 - Cancelas
10h00 - Louçainha

18h00 - Regresso da Louçainha

I Seminário de Molinologia, da Activar


«O primeiro seminário de molinologia da Activar, decorreu no passado dia 14 de Julho, no Museu Etnográfico Dr. Louzã Henriques, na Lousã e contou com a presença de vários especialistas a nível nacional.

Recuperar moinhos para que sejam visitados por alunos e turistas todos os anos não é a melhor forma de dar utilidade a estes monumentos. Para o presidente da rede portuguesa de moinhos, Jorge Miranda, há a necessidade de reinventar formas de os utilizar. “É necessário reinventar o lazer, a educação. Leccionar determinada matéria junto a um moinho é muito mais proveitoso para os alunos, do que estar sempre numa sala de aula”, sublinhando que os moinhos nunca deviam ser retirados dos seus locais naturais. A sua colocação num museu onde dificilmente se pode tocar nos objectos é um erro, no entender de Jorge Miranda.


“As pessoas, principalmente as crianças, precisam de tocar na madeira, senti-la e, a partir daí, ter uma relação com os materiais”, salientou Jorge Miranda, reconhecendo que, por si só, os moinhos não têm matéria suficiente para captar pessoas, sendo imprescindível a respectiva dinamização para constituírem uma mais-valia turística.


Além de poderem agregar uma comunidade, a recuperação de um moinho permite uma ligação das pessoas ao território e à sua identidade. “Os moinhos podem ser um elemento diferenciador de um determinado local”, salientou, acrescentando que os monumentos podem ser fontes de emprego para desempregados de longa duração, jovens em risco e mulheres em situação de pobreza.


A importância da memória num povo foi salientada por Pedro Barbosa, Director do Instituto de Estudos Regionais e Municipalismo da Faculdade de Letras de Lisboa. “O património que temos foi o que os nossos antepassados quiseram que chegasse até nós, e a conservação que deve ser feita, terá de ser integrada numa política de intervenção. Não é o moinho isolado que faz sentido, mas sim tudo o que o envolve como descobrir quem o construiu e quem usufruiu dele, entre muitos outros aspectos”, realçou.»


in Trevim

Mais em:

http://www.trevim.pt/noticia.asp?edcid=264&sccid=25&ntcid=5279

E em http://www.activar.org

segunda-feira, julho 23, 2007

Verão de 2007



É tempo de ir a banhos, de retemperar energias…

À beira mar, mergulhar no azul, espreguiçar na areia, dormir até às quinhentas….

É tempo de esquecermos o dia-a-dia e os incompetentes que nos governam…

… De mergulharmos a cabeça, na água gelada do mar, porque isto não está para brincadeiras, as praias estão vazias e os restaurantes também…

Estranho mês de Julho e o Sol teima em não aparecer e há quem diga que a economia está a crescer…

… Mas aonde é que eu ia…

… Sentir a maresia e a água do mar…

É tempo de deixar escoar o tempo e aguardar que a Fénix, que há em nós, acorde, renascida das cinzas e cheia de força, para mais um ano de combate!

Enganei-me, para mais, um ano de trabalho…

Texto e Foto – Mário Nunes

quinta-feira, julho 12, 2007

Convento de Santo António de Penela

Foto: C. M. Penela


Encontra-se escondido pelo verde arvoredo, parte está em ruínas, falo-vos do Convento de Santo António de Penela, fundado em 1578, pela Província de Santo António dos Frades Capuchos.

Contudo, o conjunto das construções (igreja, área residencial e anexos), datam do séc. XVIII. Nas mãos de particulares desde 1834, ano em que a Ordem Franciscana foi extinta, está hoje em elevado estado de degradação.

O retábulo da capela-mor, de estilo maneirista, apresenta um excelente traçado e boas talhas. De mencionar também o conjunto dos azulejos, setecentistas e de fabrico conimbricense.

No Convento decorrem obras de conservação e restauro, levadas a cabo em parceria pelo Instituto Português do Património Paisagístico, pelo IPPAR – Direcção Regional de Coimbra e pela Câmara Municipal de Penela.

Em Penela aposta-se cada vez mais forte…

No Turismo!




Texto e Fotos: Mário Nunes

quarta-feira, julho 11, 2007

Lugar à Dança...


Workshop de Improvisação

Este workshop só se realizará com um mínimo de 6 participantes

Estão abertas as inscrições gratuitas para o Workshop para adultos de Dança Contemporânea, com a coreógrafa e bailarina Yola Pinto, inserido no programa do Penelaartes 2007 – um festival de música e dança… de teatro e circo… de fotografia e cinema… de animação de rua e workshops… – que decorrerá no dia 19 de Julho, pelas 19h30, no Auditório Municipal de Penela.


Este laboratório está aberto a participantes de todas as profissões e vocações, uma vez que todos os materiais poderão ser utilizados como formas de exploração.

Inscrições/informações:
Biblioteca Municipal de Penela - Sector Cultural, Av. Infante D. Pedro,

3230-271 Penela

Tel. 239 560 021, Fax. 239 560 029

terça-feira, julho 10, 2007

“À Sombra da Lua”, no Gondramaz

Iniciou‑se no passado sábado, dia 7 de Julho, na Aldeia do Gondramaz, Miranda do Corvo, o Ciclo de Teatro Itinerante nas Aldeias do Xisto. O grupo de teatro Filhos do Palco animou as ruas e largos da aldeia com os seus quadros situacionais e musicais, convidando o público a descobrir os agradáveis espaços do Gondramaz e a interagir com os actores sob um céu estrelado.

Uma noite convidativa levou a este cenário um grupo de visitantes que encheu as ruas da aldeia, confraternizou com os habitantes e se deixou envolver pela alegria e situações criadas pelos actores. O espectáculo, composto por diversos momentos, retratou algumas das vivências da aldeia, da vila e até da realidade nacional, com aguçado sentido crítico. As diversas cenas resultaram num todo bem estruturado e adequado aos diversos locais por onde ia passando, proporcionando a todos um serão a não esquecer e deixando em cada espectador um sorriso nos lábios.

Os Filhos do Palco prometem assim conduzir‑nos em novas e imaginativas situações nos cenários naturais das Aldeias do Xisto de Ferraria de São João (Penela, 25 de Agosto) e Talasnal (Lousã, 8 de Setembro).

Aldeias do Xisto. A descoberta começa aqui.

http://www.aldeiasdoxisto.pt

13 de Julho de 2007 - Buzinão em Coimbra, Pela Defesa dos Serviços Públicos

A Constituição da República determina a existência de uma rede pública de estabelecimentos que sirva as necessidades de toda a população, sendo que os serviços públicos constituem motor de uma sociedade desenvolvida e democrática.

No entanto temos vindo a assistir ao encerramento de muitos serviços públicos, em todas as áreas, em todo o país e também no distrito de Coimbra. Escolas, Serviços de Urgência, Serviços de Atendimento Permanente, Centros de Saúde, Maternidades, Tribunais, Zonas Agrárias, Postos de Correio, são alguns dos exemplos de serviços públicos que têm vindo a encerrar.

Estes encerramentos inserem-se na tendência obsessiva deste Governo, em reduzir o Estado e as suas funções ao mínimo e põem em causa a qualidade de prestação dos serviços, a igualdade de acesso aos mesmos, degradando aquilo que são as funções sociais do Estado e, em última análise, a qualidade de vida das populações.

De forma a combater e a chamar a atenção para estes ataques e para a sua abrangência, vários movimentos de utentes do distrito de Coimbra decidiram associar-se na promoção de um Buzinão na cidade de Coimbra em defesa dos serviços públicos. O buzinão decorrerá na próxima sexta-feira, 13 de Julho, com concentração às 18 Horas na rotunda da Fucoli.

Os movimentos apelam à participação de todos, por mais e melhores serviços públicos ao serviço das populações.

Os Movimentos Promotores do Buzinão em defesa dos serviços públicos:

Movimento Nascer na Figueira

Movimento dos Utentes da Saúde

Comissão de Utentes do Hospital Pediátrico

Comissão de Utentes da Saúde de Penacova

segunda-feira, julho 09, 2007

Festival de Foclore nos Moinhos


O Rancho Folclórico das Tecedeiras dos Moinhos levou a cabo mais uma edição do Festival de Folclore desta localidade que decorreu no passado dia 7 de Julho.

Para além do rancho da casa participaram também no festival o Rancho Folclórico dos Azeitoneiros de Alvorninha, Caldas da Rainha, O Rancho Etnográfico de Peralva, Tomar, e o Rancho Típico Os Barqueiros do Mondego, de Miro, Penacova.

O Festival, que vai na sua vigésima edição, tem trazido ao concelho de Miranda do Corvo o que de melhor se faz no folclore nacional e internacional.

O festival iniciou-se com uma recepção dos ranchos participantes no auditório da Câmara Municipal e terminou com a actuação de todos os grupos participantes, nos Moinhos, perante uma grande assistência.

Penelaartes 2007 - Festival de Música e Dança em Penela

Penela recebe de 13 a 22 de Julho “Penelaartes 2007”.


Artistas de renome como Carlos Bica, Tetvocal e Yola Pinto entre outros, que já constam do programa, vão juntar-se a nós nestes dias de animação cultural.

O resultado deste projecto é a fusão de dois temas que durante nove dias irão preencher momentos únicos: a música e a dança.

O programa abre com “Portugal Jazz – Festival Itinerante de Jazz”, o evento compreende, além do concerto principal, à noite, a apresentação de um outro à tarde, de carácter didáctico, destinado às escolas. A segunda noite será preenchida com o concerto pelos Tetvocal.

O “Lugar à Dança”, que inaugura o tema dança, é um festival anual, único no seu género e no contexto da cultura portuguesa, que promove a dança contemporânea e outras artes performativas realizados para uma arquitectura concreta em espaços públicos como ruas, fachadas de edifícios, jardins, calçadas, escadarias, pátios, entre outros locais. É um festival sem portas, aberto a todo o público, que aposta nas tendências contemporâneas de artistas, criadores e intérpretes nacionais e internacionais.

Este festival itinerante, definido numa procura de espaços urbanos, torna-se palco de sucessivos encontros, surpresas e interacções com diversas áreas artísticas como a dança, circo, música, teatro, artes plásticas, vídeo e fotografia.

18ª Mostra de Aretesanato e Festival de Gastronomia


12 a 15 de Julho de 2007, na Lousã

domingo, julho 08, 2007

Festa de Encerramento das Actividades de Enriquecimento Curricular


O final do ano lectivo e das actividades de enriquecimento curricular foi pretexto para a realização de um convívio que juntou as crianças que participaram ao longo do ano nestas actividades, acompanhadas de pais e professores.

Este convívio reuniu cerca de 250 crianças das escolas dos dois agrupamentos do concelho de Miranda do Corvo, Ferrer Correia e José Falcão e realizou-se no pavilhão municipal.

As crianças que frequentaram estas actividades prepararam diversas actuações no âmbito das áreas que praticaram ao longo do ano, nomeadamente actividade física e desportiva, inglês, musica e educação visual e tecnológica.

Os pais e encarregados de educação das crianças puderam assim verificar os progressos alcançados pelas crianças nestas actividades.

O dia de festa terminou com um lanche para todos os participantes.

Clube Náutico de Miranda do Corvo


O Clube Náutico de Miranda do Corvo começou há 7 anos. Actualmente participa nas mais variadas provas, por todo o país, participando em Torneios, Festivais de Escolas Campeonatos Nacionais e Regionais.

Tem cerca de 30 atletas federados que vão desde os 7 anos aos 19 anos. E mais de 250 praticantes de todas as idades.

Na Escola de Natação dispõe de classes de natação desde os 3 anos de idade, escalonadas em diferentes níveis de aprendizagem.

O Clube dispõe de várias turmas de classes de adultos para aprendizagem, melhoria da prática ou puro lazer.

Dispõe ainda de turmas de Hidroginástica.

O Clube Náutico de Miranda do Corvo vai pela primeira vez promover umas Férias Desportivas este Verão, a terem lugar, na semana que vem…

http://nauticomiranda.com.sapo.pt/

http://nauticomiranda.blogspot.com/

http://espacoaberto-umanovamiranda.blogspot.com

/2006/10/uma-colectividade-clube-nutico-de.html

quinta-feira, julho 05, 2007

Encontro de Coros, em Semide


A realizar na Igreja do Mosteiro de Santa Maria de Semide, no dia 6 de Julho de 2007, sexta-feira, pelas 21:30 horas

quarta-feira, julho 04, 2007

Serão Gémeos!?

António de Oliveira Salazar, Primeiro Ministro de Portugal entre 05.06.1932 a 25.09.1968

José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa foi eleito em Setembro de 2004, o Primeiro Ministro de Portugal



Descubra as Diferenças...


«Sócrates processa autor do blogue Portugal Profundo.»


http://www.dn.sapo.pt/2007/06/21/sociedade/socrates_processa_autor_blogue_portu.html



«Por determinação do Governo Civil de Braga, o Ministério Público do Tribunal de Guimarães está a investigar ao pormenor o que se passou na pequena manifestação que esperou o Primeiro Ministro, José Sócrates, aquando da reunião do Conselho de Ministros realizada em Guimarães, no passado dia 7 de Outubro.»


http://www.correiomanha.pt/noticia.asp?id=248873&idselect=181&idCanal=181&p=0



«Sindicato Nacional da Polícia critica reforma compulsiva de dois agentes O presidente do Sindicato Nacional da Polícia (SINAPOL), Armando Ferreira, disse que a decisão do Governo de aposentar compulsivamente dois sindicalistas "põe em causa a Constituição" e representa um "grave retrocesso na democracia".»


http://www.rtp.pt/index.php?article=250506&visual=16



«Caso DREN: instrutor propõe suspensão do professor

O instrutor do processo disciplinar movido a Fernando Charrua, suspenso das suas funções na Direcção Regional de Educação do Norte por alegados insultos ao primeiro-ministro, propôs a suspensão do professor de Inglês.»


http://www.educare.pt/educare/Detail.aspx?contentid=C13B57455B464DAAAFA521ECEDCC9BB9&channelid=1EE474ED3B3E054C8DCFD48A24FF0E1B&opsel=1



«Cartas: Decisão de sub-região de Saúde pode ser crime!»

«O advogado António Marinho disse hoje à Agência Lusa que a decisão da directora da sub-região de Saúde de Castelo Branco de abrir as cartas endereçadas aos funcionários pode configurar um crime de violação de correspondência.»

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=283769



Diz Administração Regional de Saúde do Norte


Directora de Centro de Saúde de Vieira do Minho demitida por "quebrar dever de lealdade"
28.06.2007 - 19h53 Lusa

«A Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-N) disse hoje que a directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho, Maria Celeste Cardoso, foi demitida porque "quebrou o dever de lealdade" com o ministro da Saúde.»

http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1297989&idCanal=undefined


«Doze militares com processos disciplinares após protesto de Novembro»
15.06.2007 - 21h11 Lusa

«Doze militares foram alvo, nos últimos setes meses, de processos disciplinares por participarem num protesto, em 2006, e pelo menos um deles teve de cumprir a pena na íntegra, por decisão do Tribunal Administrativo de Almada.

O caso remonta a Maio deste ano e é idêntico ao do sargento António Dias que está desde quinta-feira a cumprir pena de detenção na Base Naval do Alfeite, também por ter participado no passeio do descontentamento contra os cortes na defesa e no sistema de saúde, a 23 de Novembro de 2006, considerado ilegal pelo Governo.»

http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1296848&idCanal=undefined

Inauguração das Obras de Requalificação do Lavadouro do Bubau


Decorreu no passado Sábado, dia 30 de Junho a inauguração das obras de requalificação do lavadouro do Bubau.

A Câmara Municipal de Miranda do Corvo levou a cabo esta requalificação tendo por objectivo a revitalização de um espaço que se encontrava degradado.

Antes da generalização do abastecimento domiciliário de água, os lavadouros eram ponto de encontro das gentes das aldeias que, para além da lavagem da roupa e em muitos casos recolha de água para consumo, eram local privilegiado de convívio, chegando mesmo a ser denominados “tribunal da aldeia”.

Esta obra veio de encontro ao desejo da população do Bubau e do Pinheiro que há muito desejavam este espaço renovado e rectificado.

A inauguração decorreu em clima de festa tendo alguns habitantes inaugurado o renovado lavadouro para a lavagem da sua roupa. A festa terminou com uma sardinhada que juntou a população dos lugares.

Clones e Clowns em Penela


A companhia Encerrado para Obras apresenta no próximo Domingo, dia 8 de Julho, pelas 18h30, no Auditório Municipal de Penela, a peça “Clones e Clowns”. Este novo trabalho, da companhia de teatro que recentemente estabeleceu residência artística em Penela, aposta forte na interacção com o público, explora conceitos como a clonagem humana e a comédia.

“Clones e Clowns”, espectáculo de teatro para a infância, conta a história de Richard Klok, um cientista alucinado que consegue concretizar com êxito e em total segredo a clonagem de um ser humano, utilizando como cobaia um famoso palhaço. Em breve, a Terra fica cheia de palhaços clonados. Mas como todos são iguais, todos repetem as mesmas frases, ou realizam os mesmos gags, e as pessoas deixam de lhes achar piada. A falta de humor torna-se contagiosa e em breve a humanidade está mergulhada numa depressão generalizada: as pessoas vivem tristes e entediadas, deixam de rir, de cantar, deixam de amar a vida....

ENTRADA LIVRE.

terça-feira, julho 03, 2007

Na Agenda da Lousã, Mês de Julho de 2007


Cultura

Até 29 de Julho

“Vidas tecidas à mão”

Exposição de bonecos de pano de Gracinda de Jesus

Local : Sala de Exposições Temporárias do Museu Etnográfico, Dr. Louzã Henriques
Org.: Câmara Municipal da Lousã

Até 27 de Julho

Comemoração dos 100 Anos da Inauguração da Linha do Caminho de Ferro Coimbra – Lousã

Exposição de Fotografia “O Quotidiano da Linha da Lousã”, de autoria de Dário Silva

Local : Átrio da Biblioteca Municipal da Lousã
Org.: Câmara Municipal da Lousã

7 de Julho, 21h30m

“Crime ao Microscópio”

Colóquio com a participação de: Dias da Silva (ex-coordenador da PJ); Ângela Dias da Silva (Inspectora Chefe da PJ aposentada); Helena Dias da Silva (Mestre em Ciências Físico-Químicas

Local : Auditório da Biblioteca Municipal da Lousã
Org.: Arte–Via Cooperativa
Apoio: Câmara Municipal da Lousã

12 a 15 de Julho

18.ª Mostra de Artesanato da Lousã e Festival de Gastronomia

Local : Parque Municipal de Exposições da Lousã
Apoio: Reg. de Turismo do Centro; Instituto do Emprego e For. Profissional; Galp Gáz - TELOMIR
Org.: Câmara Municipal da Lousã

14 e 15 de Julho

Exposição de Artesanato Contemporâneo (trabalho ao vivo)

“Elementos à Solta 2007” - Integrada na Mostra de Artesanato da Lousã

Local : Cerdeira - Aldeia do Xisto da Serra da Lousã, das 11h às 19h
Org.: Artesã Kerstin Thomas
Apoio: Câmara Municipal da Lousã

14 de Julho

ETNOXISTO – 1.ª Mostra Etnográfica da Lousã

Manhã – Actuação dos Grupos Etnográficos em vários locais da Vila;
Noite – 20h -Desfile Etnográfico com início na Praça Sá Carneiro em direcção ao Pavilhão Municipal de Exposições – Mostra de Artesanato; 22h - actuação de todos os Grupos intervenientes.

Org.: GERL (Grupo Etnográfico da Região da Lousã)
Apoio: Câmara Municipal da Lousã

Julho – todas as tardes a partir das 15h

Actividades na Biblioteca Municipal - Sala Infanto–Juvenil

Hora do Conto – Leitura dramatizada, atelier de pintura e actividades “Pedro Pescador” e “O Menino Gordo”, de José Viale Moutinho e ilustrações de Carla Pott, “O Sapateiro e os Anões”, “A Gaita Maravilhosa” e “A Galinha Medrosa”, in Contos Tradicionais por António Mota e ilustrações de Martinho Dias e “O Galo da Velha Luciana”, de António Mota e ilustrações de Elsa Navarro.

Desporto

4 a 8 de Julho

Torneio Internacional de Voleibol – VIII Summer Cup

Local: Pavilhões Municipais nº1 e nº2
Organização: Lousã Volley Clube
Apoio: Câmara Municipal da Lousã

7 e 8 de Julho

Raid Aldeias do Xisto

Local: Aldeias do Xisto
Organização: Montes D`Aventura
Apoio: Câmara Municipal da Lousã | Aldeias do Xisto

27, 28 e 29 de Julho

IV Concentração de Motos

Local: Praia Fluvial de Casal de Ermio
Organização: Lousã Moto Clube
Apoio: Câmara Municipal da Lousã

Feiras e Festas

27, 28 e 29 de Julho

6º FESTIVAL DE CERVEJA DA LOUSÃ

Recinto exterior do Parque Municipal de Exposições

Org.: Casa dos Eventos
Apoio: Câmara Municipal da Lousã

Programa do evento, a divulgar oportunamente pela organização

29 de Julho, 10h00m às 17h00m

Mercadilho

Feira de Produtos Biológicos, Naturais e Artesanato.
(Último Domingo de cada mês)

Local: Mercado de Foz de Arouce, na Sr.ª da Pégada

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...