sábado, fevereiro 28, 2009

3º Downhill Urbano de Penela, dia 1 de Março


Inserido no Campeonato Regional, o 3º Downhill Urbano de Penela, realiza-se no próximo Domingo, dia 1 de Março, a partir das 09H00 pelas ruas da vila de Penela.

Uma prova de grande beleza e espectacularidade, não só pelo desafio e adrenalina do percurso, como pelo encanto do centro histórico da Vila.

Programa:

9H00 – Abertura do secretariado e treinos
11H30 – Encerramento secretariado e treinos

12H00 – Primeira Manga
15H00 – Segunda Manga

Apareça e viva emoções nesta Prova de Downhill Urbano!

segunda-feira, fevereiro 23, 2009

O Carnaval em terras de Miranda do Corvo


No passado Domingo de Carnaval, o Rei Momo e a sua corte visitaram Miranda do Corvo, retomando os corsos carnavalescos, depois de S. Pedro ter estragado a festa, por dois anos consecutivos.

A abrir as majoretes, a fanfarra e os bombos dos Bombeiros Voluntários da Mêda.


O tesouro e a Santa Casa da Misericórdia de Semide.


A EB1 de Miranda do Corvo também marcou presença.


Apesar dos poucos carros, mascarados eram poucos, mas mesmo assim o povo de Miranda do Corvo saiu à rua.



Adamastor Ramos estava presente no carro da ADFP.


A Associação Cultural e Recreativa do Espinho marcou presença no Corso Canavalesco.



Os carros sempre originais da Rádio Dueça.



As farpas eram bem evidentes.


Bem metidas…

E o Metro, depois de vinte anos, sempre presente na vida dos mirandenses…


O Mata Mata de Vale d’Açor.

O carro mais animado do corso…



As meninas do Saloon e os cowboys indomáveis.


E a fechar os gaiteiros do Espinho.


Na memória dos populares ficaram outros Carnavais, onde participavam os Bombeiros Voluntários e a Casa do Povo de Miranda do Corvo, que a política afastou indevidamente da Festa.

Recorda-se ainda com saudade, os foliões que vinham dos Bujos, Bairro Novo, Lamas, Vila Nova, Rio de Vide, Moinhos,…

Era tão bom que todos pudessem estar presentes.


Perdoem-me se me esqueci de alguém!


Vamos aguardar que amanhã 3ª feira de Carnaval seja diferente.


sexta-feira, fevereiro 20, 2009

Aqui à volta, aqui tão perto

Serra do Espinhal

No horizonte avistamos no alto das serras, as eólicas, controversas noutras paragens, transformando a energia cinética do vento em energia eléctrica.

Um aspecto da Serra da Lousã

O Trevim ao fundo.


Vale a pena espairecer, cortar com a rotina, subir a serra, procurar outras paragens...Ar puro...
Cabras Selvagens

Aqui ficam em testemunho, ao vivo e a cores, em memórias fotográficas, aquilo que nos rodeia, o longe faz-se perto.

sábado, fevereiro 14, 2009

Contagem decrescente para salvares o Choupal


Começa hoje a contagem decrescente para salvarmos o Choupal, e a cidade de Coimbra, de mais uma aberração em termos de construção de auto-estradas pelo meio da cidade.

FALTAM TRÊS DIAS, faltam apenas três dias, para passarmos a palavra e para nos organizarmos de modo a termos, cada um de nós, o Domingo de manhã livre para darmos as mãos em defesa do Choupal.

O tempo vai favorecer quem quiser ir de bicicleta, o que já é uma boa notícia! E a cidade apela à cidadania!

Segundo, o amigo João Paulo Pedrosa, da Agrobio e da Quercus




«A Mata Nacional do Choupal, localizada em Coimbra, Portugal, imortalizada pelos poetas, nasceu da necessidade de quebrar a impetuosidade das cheias do Mondego.

Em 1791, o Engº Padre Estêvão Cabral comandava um grande projecto que se destinava a tentar diminuir o assoreamento provocado pelo Rio.

O Choupal foi afinal plantado para permitir uma melhor fixação do encanamento do Rio. Foram muitas, muitas árvores que desde o século XIX desafiaram o tempo crescendo: Plátanos, Faias, Loureiros, Eucaliptos.

Com uma área de 79 hectares, a mata do Choupal bordeja o rio Mondego numa extensão de 2 Km.

Hoje é também o espaço, que muitos habitantes da Cidade utilizam para pôr a sua forma física em dia.»

Segundo, a Wikipedia


Oh Coimbra do Mondego



Oh Coimbra do Mondego

E dos amores que eu lá tive [bis]

Quem te não viu anda cego

Quem te não ama não vive

Quem te não viu anda cego

Quem te não ama não vive


Do Choupal até à Lapa
foi Coimbra meus amores [bis]
e sombra da minha capa
deu no chão abriu em flores [bis]


A. Guimarães


Há uma semana decorreu uma nova acção da Plataforma do Choupal. Desta vez, o objectivo foi assinalar no terreno, a porção da Mata Nacional do Choupal que, de acordo com o projecto previsto de construção do futuro IC2, será definitivamente destruída (é que não há árvores que cresçam sob tectos de betão). Após delimitação com fita plástica, tornou-se fácil observar in situ a dimensão da área afectada directamente pela implantação da obra. E uma coisa é olhar para o projecto no papel. Outra é estar no local e ver o que será afectado. Durante várias horas, foi possível aos órgãos de comunicação social presentes, bem como aos cidadãos que faziam jogging ou passeavam junto à margem do Mondego, avaliar a porção de mata que desaparecerá sob um viaduto de betão. São cerca de 6 mil metros quadrados de floresta.

É muito? É pouco? É, sem dúvida, mais uma talhada numa Mata Nacional que já foi anteriormente delapidada. E é caso para dizer que grão a grão se vai trocando a floresta pelo betão. Entretanto, a indignação com este projecto continua a crescer, a julgar pelo número de participantes na petição online do movimento: quase 5 mil pessoas já declararam a sua discordância com o projecto previsto e exigem o estudo de soluções alternativas… e isto em pouco mais do que uma semana. In http://denunciacoimbra2.wordpress.com

Em Defesa do Choupal

www.petitiononline.com/choupal/petition.html





As fotos são do Daniel Tiago, magníficas fotos que convido a admirar, na íntegra na página - http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=412267




Actualização das notícias:

http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1365128




quinta-feira, fevereiro 12, 2009

"Chovem Amores na Rua do Matador" no Auditório Municipal, dia 14 de Fevereiro


Baltazar Fortuna regressa a Xigovia para matar… saudades.
Pretende reencontrar os seus ex-amores: Mariana Chubichuba, Judite Malimali e Ermelinda Feitinha.
Entretanto, num sonho, elas, as três, dizem-lhe: “Nós não te precisamos matar, nós já te matámos dentro de nós. Há muito tempo que não vives nas nossas vidas…”

Esta nova criação, da autoria de Mia Couto e José Eduardo Agualusa, é a segunda etapa do projecto Interiores e resultado do desafio lançado a estes dois escritores para criarem um texto inédito para o Trigo Limpo teatro ACERT.

Como eles próprios explicam mais do que trabalho a feitura deste texto foi puro prazer.
E se já no princípio dos princípios, na génese, o princípio era o verbo, a feitura deste chovem amores… parte dessa atitude quase mágica de começar a proferir as palavras para que as coisas aconteçam. E da filigrana das letras nasce demorada e gostosamente um mundo pequenino onde vivem as nossas personagens.

Auditório Municipal de Penela, Sábado, 14 de Fevereiro de 2009, pelas 21h00

Ficha Técnica:

Texto: José Eduardo Agualusa e Mia Couto
Encenação: Pompeu José
Interpretes: José Rosa e Sandra Santos
Cenografia: Zé Tavares e Marta Fernandes da Silva
Figurinos: Ruy Malheiro
Música: Cheny Mahuaie, Fran Perez, Lígia Zango, Matchume Zango e Tinoca Zimba
Desenho de luz: Luís Viegas
Técnicos: Cajó Viegas e Paulo Neto
Assistência: Gil Rodrigues
Bonecas: Luís Pacheco
Carpintaria: Carmosserra
Serralharia: Rui Ribeiro
Fotografias: Carlos Teles e Eduardo Araújo


quarta-feira, fevereiro 11, 2009

Festival Gastronómico de Caça e Pesca 2009, na Lousã


Con­quis­tar os visi­tan­tes pela boca tem sido uma das estra­té­gias da autarquia da Lou­sã para pro­mo­ver o con­ce­lho e dina­mi­zar o sec­tor da res­tau­ra­ção que, ape­sar da cri­se eco­nó­mi­ca insta­la­da no país, pare­ce esca­par ao pano­ra­ma geral.


De 13 a 22 de Feve­rei­ro, o Fes­ti­val Gas­tro­nó­mi­co de Caça e Pes­ca ape­la à degus­ta­ção de sabo­res genu­í­nos de pra­tos tra­di­cio­nais, con­tan­do para isso com a par­ti­ci­pa­ção de 10 restauran­tes do con­ce­lho. Pra­tos de java­li, vea­do, per­diz, lebre, tru­tas e pei­xe do rio cons­tam nas emen­tas dos res­tau­ran­tes ade­ren­tes, que vão estar tam­bém dis­po­ní­veis em Brail­le, cozi­nha­dos das mais vari­a­das for­mas e com vários acom­pa­nha­men­tos.

Res­tau­ran­tes ade­ren­tes ao Fes­ti­val de Caça e Pes­ca:


São 10 os res­tau­ran­tes: Pou­sa­da da Juven­tu­de – Lou­sã Cate­ring, Casa Velha, O Bur­go, Ti Lena, A Vis­con­des­sa (Hotel Meliá), Hor­te­lã Pimen­ta, Chur­ras­quei­ra Astro 2, Chur­ras­quei­ra São Pau­lo, Café Lou­sa­nen­se/Tra­ves­sa com Tapas e Chur­ras­quei­ra Tó dos Fran­gos.

sábado, fevereiro 07, 2009

Olhares sobre o Gondramaz


Olhares sobre o Gondramaz, diferentes perspectivas...

quinta-feira, fevereiro 05, 2009

Na Agenda de Penela - Mês de Fevereiro de 2009

Cumeeira

A Agenda de Penela disponível em:

http://www.cm-penela.pt/agenda.php



terça-feira, fevereiro 03, 2009

Na Agenda de Miranda do Covo - Mês de Janeiro de 2009

A agenda de Miranda do Corvo disponível em:

http://www.mirandadocorvo.com/index.php?pagina=agendacultural



Na Agenda da Lousã - Mês de Janeiro de 2009

Foz de Arouce

A Agenda da Lousã disponível em:

http://www.cm-lousa.pt/agenda/index.php




segunda-feira, fevereiro 02, 2009

Cheias no Rio Ceira

Mais uma vez, a Natureza pregou uma partida ao Homem, depois das chuvas intensas dos últimos dias, o Ceira transbordou uma vez mais, afectando vidas, casas, terras de cultivo, caminhos, estradas e pontes.

Construção em leito de cheias, má limpeza dos rios, consequência - a água tem que ir para algum lado...
Viveram-se momentos de tensão esta tarde ao longo do Ceira, em especial entre Segade e a Vila de Ceira, o rio galgou margens e foi um ver se te avias, os pedidos de socorro foram uma constante, interrogando-se as populações onde andaria o socorro e a protecção civil.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...