sábado, abril 27, 2013

Capital da Chanfana 2013


De 25 de abril a 5 de maio, a Câmara Municipal de Miranda do Corvo, em colaboração com 23 restaurantes do Concelho, vai mais uma vez realizar o evento “Miranda Capital da Chanfana”.
Neste período que inclui os feriados do Dia da Liberdade e do Dia do Trabalhador, vários restaurantes do Concelho vão dar as mãos e em colaboração com a Câmara Municipal vão promover a gastronomia tradicional baseada na carne de cabra velha: chanfana, negalhos e sopa de casamento.
Estes restaurantes sedeados no Concelho de Miranda do Corvo estarão preparados para servir os muitos amantes da boa gastronomia que se deslocarem a Miranda.
Miranda do Corvo assumiu este desafio de promoção da cozinha tradicional com o objetivo de dinamizar o nosso património gastronómico e contribuir para a dinamização turística do Concelho.
A Chanfana cozinha-se com vinho tinto tradicionalmente cultivado na freguesia de Lamas, é assada em fornos de barro e em caçoilas fabricadas pelos oleiros do Carapinhal.
A história da chanfana encontra-se ligada ao contexto social da população do Concelho e ao Mosteiro de Semide.
A relação por demais evidente entre a confeção da carne de cabra velha – chanfana, sopa de casamento e negalhos, o barro e a olaria, nomeadamente no fabrico das caçoilas e os típicos fornos, também eles de barro, aquecidos a lenha utilizados tanto na confeção gastronómica como na cozedura do barro, e a existência das vinhas de Lamas produtoras de excelente vinho tinto, demonstram a histórica influência direta da conjuntura económica e social dos tempos e os recursos naturais do espaço físico de Miranda do Corvo.
A sopa de casamento é um prato com base em couve e pão enriquecido com o molho da chanfana.
Os negalhos são confecionados com as tripas e o estomago (bucho) de cabra assadas em vinho tinto.
Se a maioria associa a receita da chanfana às freiras do Convento de Semide é certo que existe uma lenda que remete a origem deste prato para a época das invasões francesas. Para evitar que os soldados lhes roubassem os rebanhos, as freiras matavam e cozinhavam os animais. Diz-se, ainda, que durante as invasões a população envenenou as águas para aniquilar o exército francês e, como era necessário cozinhar a carne, utilizavam o vinho.
O que é certo é que em Miranda, talvez devido às dificuldades de outros tempos, se criou uma rica gastronomia em que se aproveita integralmente a cabra velha, que depois de ter gerado os cabritos no seu ciclo de vida, termina bem assada em bom vinho tinto, as tripas confecionadas em apetitosos negalhos, e os restos da caçoila (carne e o molho) a temperarem a saborosa sopa de casamento.
Os apaixonados da boa e tradicional gastronomia terão a certeza de comer em Miranda alguns dos pratos mais típicos da cozinha portuguesa e de serem servidos com grande simpatia, em ambientes simples, de gente de bem.
Este projeto contribui também para a dinamização do comércio tradicional e para a valorização dos recursos endógenos, fomentando a economia local na perspetiva de que os restaurantes receberão mais pessoas, dinamizando também a parte agrícola que terá que produzir mais produtos.
De resto, sendo certa a qualidade da gastronomia, será difícil que se coma em Miranda do Corvo e não se tenha o desejo de regressar e repetir a experiência.
Não se esgotando os motivos da vinda ao Concelho na gastronomia, a Câmara Municipal desafia os visitantes a conhecer o Parque Biológico da Serra da Lousã, onde se encontra a maior coleção de fauna autóctone em semicativeiro de Portugal, a visitar a aldeia de xisto do Gondramaz, considerada uma das mais belas da Rede de Aldeias de Xisto, a percorrer as ruas da zona histórica de Miranda do Corvo, visitar o Mosteiro de Semide ou meditar nos santuários do Senhor da Serra e da Senhora da Piedade de Tábuas. 
Também no dia 28 de abril realiza-se um espetáculo com o grupo musical Sons do Zêzere, da Pampilhosa da Serra, pelas 16 horas, na Praça José Falcão.
Em maio, no dia 1, dia do trabalhador, realiza-se um espetáculo com o grupo Cordas Castiças, de Ceira.
No dia 4 de maio o Clube Náutico de Miranda do Corvo organiza, na Piscina Municipal, o torneio de cadetes, “Rota da Chanfana”, a partir das 16 horas.
A terminar a iniciativa, no dia 5 de maio, realiza-se a habitual Feira das Velharias, na Praça José Falcão, entre as 9h00 e as 18h00. Pelas 16h00, realiza-se uma atuação do Rancho Típico de Semide, também na Praça José Falcão.

Restaurantes aderentes:
A Parreirinha | Araújo | Churrasqueira Cheiro Guloso | Churrasqueira Paraíso do Frango | Colher de Pau | Fika Keto | Grelhador | Museu da Chanfana | O Careca | O Carpinteiro | O Espanhol | O Ferrador | O Pedroso | O Professor | Pátio do Xisto | Pentágono | Retiro do Mendes | Rufino | S. Miguel | Teia | Telheiro Rest | Varandas do Ceira | Zé Padeiro

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...