domingo, dezembro 30, 2007

Que Deus nos Ajude!



Elucidativa esta imagem do Jornal Expresso, de 29.12.2007

Ao ponto que isto chegou…
Dantes eram inaugurados com pompa e circunstância – Hospitais, Maternidades, Escolas, Tribunais, postos da GNR e esquadras da PSP, inúmeros serviços públicos, estradas e caminhos – sinais de progresso.
Como isto anda tudo ao contrário, hoje é motivo de notícia, o encerramento das urgências no Hospital de Anadia e Alijó, do SAP da Lourinhã, perspectivando-se para breve o encerramento de inúmeras urgências hospitalares, SAP, blocos de parto e o Senhor Ministro da Saúde ainda tem a lata de dizer "é para o melhor das populações", conforme referiu à comunicação social – retrocesso.
Ninguém pede contas às negociatas da banca.
Enquanto isso, a pouca vergonha chegou aos corredores de poder com inúmera gente a acotovelar-se por um mero tacho num Banco Privado ou no principal Banco estatal.
Qual é a ética do caudilho de Bruxelas e dos seus lacaios, precisaremos nós da Ota? E do TGV?
Este (des)Governo prepara-se assim para arranjar mais dois elefantes brancos sacrificando-nos a todos nós e a serviços públicos essenciais…
Para além disso inaugura o troço de metro mais caro da Europa e se calhar do Mundo, entre a Praça do Comércio e Santa Apolónia.
Institucionalizando um país a duas velocidades, a de Lisboa, em que se vai de Metro a qualquer lado da capital, com metro de 2 em 2 minutos, autocarros de 5 em 5 minutos, esquecendo-se em que condições se encontram as estruturas rodo-ferroviárias do país.
Como se deslocam as pessoas para o Hospital mais próximo?
Quanto tempo demoram a lá chegar?
Já há casos referenciados de doentes urgentes que chegam cadáveres às urgências mais próximas e de bebés a nascerem em ambulâncias.
Será isto sinal de progresso?
Mais vale nascer espanhol.
Portugal, um país adiado e à espera de melhor Governo.

Texto – Mário Nunes



quinta-feira, dezembro 27, 2007

É um milagre estarmos vivos!



«Nasceste antes de 1986?
Então lê isto...


Nascidos antes de 1986. De acordo com os reguladores e burocratas de hoje, todos nós que nascemos nos anos 60, 70 e princípios de 80, não devíamos ter sobrevivido até hoje, porque as nossas caminhas de bebé eram pintadas com cores bonitas, em tinta à base de chumbo que nós muitas vezes lambíamos e mordíamos.
Não tínhamos frascos de medicamentos com tampas "à prova de crianças", ou fechos nos armários e podíamos brincar com as panelas.
Quando andávamos de bicicleta, não usávamos capacetes.
Quando éramos pequenos viajávamos em carros sem cintos e airbags, viajar à frente era um bónus.
Bebíamos água da mangueira do jardim e não da garrafa e sabia bem.
Comíamos batatas fritas, pão com manteiga e bebíamos gasosa com açúcar, mas nunca engordávamos porque estávamos sempre a brincar lá fora.
Partilhávamos garrafas e copos com os amigos e nunca morremos disso.
Passávamos horas a fazer carrinhos de rolamentos e depois andávamos a grande velocidade pelo monte abaixo, para só depois nos lembrarmos que esquecemos de montar uns travões. Depois de acabarmos num silvado aprendíamos.
Saiamos de casa de manhã e brincávamos o dia todo, desde que estivéssemos em casa antes de escurecer.
Estávamos incontactáveis e ninguém se importava com isso.
Não tínhamos PlayStation, X Box.
Nada de 40 canais de televisão, filmes de vídeo, home cinema, telemóveis, computadores, DVD, Chat na Internet.
Tínhamos amigos - se os quiséssemos encontrar íamos á rua.
Jogávamos ao elástico e à barra e a bola até doía!
Caíamos das árvores, cortávamo-nos, e até partíamos ossos mas sempre sem processos em tribunal.
Havia lutas com punhos mas sem sermos processados. Batíamos às portas de vizinhos e fugíamos e tínhamos mesmo medo de sermos apanhados.
Íamos a pé para casa dos amigos.
Acreditem ou não íamos a pé para a escola;
Não esperávamos que a mamã ou o papá nos levassem.
Criávamos jogos com paus e bolas.
Se infringíssemos a lei era impensável os nossos pais nos safarem. Eles estavam do lado da lei.
Esta geração produziu os melhores inventores e desenrascados de sempre.
Os últimos 50 anos têm sido uma explosão de inovação e ideias novas.
Tínhamos liberdade, fracasso, sucesso e responsabilidade e aprendemos a lidar com tudo.
És um deles?
Parabéns!

Passa esta mensagem a outros que tiveram a sorte de crescer como verdadeiras crianças, antes dos advogados e governos regularem as nossas vidas, "para nosso bem".
Para todos os outros que não têm idade suficiente pensei que gostassem de ler acerca de nós.
Isto, meus amigos é surpreendentemente medonho... E talvez ponha um sorriso nos vossos lábios.
A maioria dos estudantes que estão hoje nas universidades nasceu em 1986.
Chamam-se jovens.
Nunca ouviram "we are the world" e uptown girl conhecem de westlife e não de Billy Joel.
Nunca ouviram falar de Rick Astley, Banarama ou Belinda Carlisle.
Para eles sempre houve uma Alemanha e um Vietname.
A SIDA sempre existiu.
Os CD's sempre existiram.
O Michael Jackson sempre foi branco.
Para eles, o John Travolta sempre foi redondo e não conseguem imaginar que aquele gordo fosse um dia um deus da dança.
Acreditam que Missão impossível e Anjos de Charlie são filmes do ano passado.
Não conseguem imaginar a vida sem computadores.
Não acreditam que houve televisão a preto e branco.

Agora vamos ver se estamos a ficar velhos:
1. Entendes o que está escrito acima e sorris.
2. Precisas de dormir mais depois de uma noitada.
3. Os teus amigos estão casados ou a casar.
4. Surpreende-te ver crianças tão á vontade com computadores.
5. Abanas a cabeça ao ver adolescentes com telemóveis.
6. Lembras-te da Gabriela (a primeira vez).
7. Encontras amigos e falas dos bons velhos tempos.

SIM ESTÁS A FICAR VELHO he… he… heh … , mas tivemos uma infância do caraças.»
Luís Amaro

Chegou ontem à minha caixa de correio e achei o máximo, tanto que não resisti a publicá-la.



Reveillon 2007/2008


domingo, dezembro 23, 2007

Feliz Natal


 
Para todos, Um Feliz Natal, na companhia da família, em paz, com saúde e trabalho remunerado.

Ao Ponto que Chegámos...




Para Ler, Pensar e Repensar…

«Banco Alimentar - "Há médicos e professores a pedirem-nos ajuda para dar de comer aos filhos"


Jornal Expresso - Raquel Moleiro, com Isabel Vicente, 1/12/2007

A denúncia parte de Isabel Jonet, presidente do Banco Alimentar. São os novos pobres: a classe média sobre endividada.

Manuela, 33 anos, hesitou antes de escrever aquele e-mail para o Banco Alimentar Contra a Fome (BACF). E mesmo enquanto o redigia, não tinha ainda a certeza de, no fim, ter coragem de carregar no botão de enviar. Ela, bacharel em Relações Internacionais, quadro de um ministério, casada com um professor de educação física ex-atleta olímpico. Ela, mãe de uma bebé com cinco meses, tinha agora de pedir ajuda para alimentar a família. O marido que ficou sem emprego, um salário de 2000 Euros que desapareceu no mês em que festejaram a gravidez, a renda da casa, que foi falhando vezes de mais, o cartão de crédito gasto até ao limite, o apartamento trocado por um quarto, e nem assim a comida chegava à mesa . "No dia em que enviei o mail faltavam três semanas para receber e só tinha 80 cêntimos, explica. "Havia para a bebé, mas nós íamos passar fome".

O caso tem um mês. Ana Vara, assistente social do BACF, ligou a Manuela mal leu o pedido. E disse-lhe o que tanto tem repetido ultimamente: não tenha vergonha, não é a única. "Nos últimos quatro meses, mais que duplicaram os pedidos directos ao banco alimentar. E há cada vez mais casos de classe média ", garante Isabel Jonet. A directora do BACF chama-lhes " os novos pobres ": empregados, instruídos, socialmente integrados, mas, ainda assim, vítimas da pobreza e até da fome. Nos últimos três meses, chegaram ao banco alimentar de Alcântara 250 casos, 30% dos quais se enquadram nesta nova categoria. E em todos há pontos transversais: mais mulheres, muitas mães, desemprego inesperado, rupturas familiares, e sempre sobre endividamento.

(...) As famílias tradicionalmente carenciadas aparecem no banco alimentar, pedem olhos nos olhos. Os novos pobres gritam por ajuda, envergonhadamente, através do correio electrónico. Como Luciana, médica, cujo desemprego súbito do marido fez ruir a estrutura económica do lar de nove filhos. Sem ele saber, sem o magoar de vergonha, pediu apoio alimentar para um casa onde nunca tinha faltado nada.


Entretanto, nem tudo são lágrimas:

O lucro do Millennium BCP atingiu 191 milhões de euros no primeiro trimestre do ano. Os resultados em base recorrente cresceram 16% nos primeiros três meses do ano.

O Banco Espírito Santo divulgou quinta-feira um lucro de 139,8 milhões de euros no primeiro trimestre, mais 33% que no período homólogo.

O BPI obteve um resultado líquido de 96,8 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, um valor que corresponde a uma subida de 30 por cento face a igual período do ano anterior.

O resultado do Banco Bilbao Viscaya y Argentaria (BBVA) subiu para pouco mais de 1,25 mil milhões de euros , mais 23% no resultado líquido no primeiro trimestre de 2007.

O Banco Santander Central Hispano obteve um resultado líquido de 1,8 mil milhões de euros , no primeiro trimestre do ano. Este valor representa mais 21% que no período homólogo...



Fernando Madrinha - Jornal Expresso - 1/9/2007:

«Centenas e centenas de famílias pedem conselho à Deco porque estão afogadas em dívidas à banca. São pessoas que ainda têm vontade e esperança de cumprir os seus compromissos. Mas há milhares que já não pagam o que devem e outras que já só vivem para a prestação da casa. Com o aumento sustentado dos juros, uma crise muito séria vem aí a galope.»

Não obstante, os bancos continuarão a engordar escandalosamente porque, afinal, todo o país, pessoas e empresas, trabalham para eles. Daí que os manda-chuvas do Millenium BCP se permitam andar há meses numa guerra para ver quem manda mais, coisa que já custou ao banco a quantia obscena de 2,3 mil milhões de euros em capitalização bolsista. Ninguém se rala porque, num país em que os bancos são donos e senhores de quase tudo, esse dinheirinho acabará por voltar às suas mãos.

(…), em que os jornalistas estão sempre a dizer que nada acontece - são notícias de mau augúrio. Remetem-nos para uma sociedade cada vez mais vulnerável e sob ameaça de desestrutruração, indicam-nos que os poderes do Estado cedem cada vez mais espaço a poderes ocultos ou, em qualquer caso, não sujeitos ao escrutínio eleitoral. E dizem-nos que o poder do dinheiro concentrado nas mãos de uns poucos é cada vez mais absoluto e opressor. A ponto de os próprios partidos políticos e os governos que deles emergem se tornarem suspeitos de agir, não em obediência ao interesse comum, mas a soldo de quem lhes paga as campanhas eleitorais.»

E-mail enviado por I.V.



É caso para dizer, ao ponto que isto chegou?
Será só a sociedade portuguesa?
Ou a crise é mundial?
O Consumo e o Capital, a muito obrigam nesta quadra…
Até quando o planeta azul aguentará esta loucura…?


sábado, dezembro 22, 2007

Mais uma...

Programação especial para um Natal especial em Penela

De dia 22 até dia 25 de Dezembro, o Município de Penela terá uma Programação de Natal aliciante.
Por toda a vila haverá animação a acompanhar as grandes atracções do Penela Presépio: O Maior Presépio Animado de Portugal, a Pista de Patinagem, Cortejo e Presépio ao Vivo pela Companhia Teatral Vivarte.

O Município de Penela deseja a todos um Santo e Feliz Natal!
Programação

Dia 22 Dezembro - 21h00 – Espectáculo de Patinagem Artística “Natal Sobre Rodas” pelo Clube de Patinagem do Sado
Local: Pavilhão Multiusos.

Dia 23 Dezembro - 15h00 – Performance de Patinagem no Gelo pelo Clube de Patinagem do Sado.
Local: Pista de gelo (Praça da República).

Dia 25 Dezembro - 17h00 – Tradicional concerto de Natal pela Sociedade Filarmónica Penelense e coro.
Local: Auditório Municipal de Penela.

Neste Natal visite Penela!

Fonte – C.M. Penela

domingo, dezembro 16, 2007

Empréstimo de 5,5 milhões de euros para meter “tram-train” na linha





Há quem não acredite…
Mas a primeira página do Diário de Coimbra de ontem e a manchete – a seguir reproduzidas na íntegra, parecem não deixarem dúvidas…
A ver vamos…


«A aprovação de um empréstimo de cerca de 5,5 milhões de euros e do plano estratégico para os próximos três anos foi decidida pela Assembleia-Geral da Metro Mondego. Agora, o objectivo passa por meter o “tram-train” na linha

A aprovação de um empréstimo a rondar os 5,5 milhões de euros, assim como do plano estratégico para os próximos três anos, foi ontem alcançada na Assembleia-Geral (AG) da Metro Mondego (MM). Desta forma, a implementação do “tram-train”, sistema de transporte ferroviário constituído por um veículo que pode circular tanto em zona urbana, como numa linha ferroviária, entre Coimbra e Serpins, até 2012, ganha novo impulso. Os orçamentos de 2007 (em atraso) e de 2008 também foram aprovados.
Álvaro Maia Seco, presidente do Conselho de Administração da MM, revelou, à saída da reunião onde marcaram presença os representantes das três autarquias envolvidas – Coimbra, Miranda do Corvo e Lousã – e do Estado, que «o grau de confiança só tem razões para estar reforçado», rebatendo, desta forma, a eventual irreversibilidade sobre o projecto deste novo sistema de transporte, que, ao longo dos anos, tem sofrido sucessivos avanços e recuos.
Custear diversas expropriações, aquisições de terrenos e obras realizadas em terminais junto às estações, além do programa de 2008, que tem contemplada uma dotação do Orçamento de Estado superior a quatro milhões de euros, quase o dobro das transferências em 2007, são algumas das tarefas a concretizar com a verba do empréstimo aprovado. A AG realizada ontem tinha sido suspensa no passado dia 27, a pedido do accionista Estado, para poder dispor de mais alguns dias para analisar os documentos estratégicos.
Com a aprovação – por unanimidade – deste conjunto de documentos estratégicos, há, segundo Álvaro Maia Seco, «condições para se concretizar a programação», que aponta para o estabelecimento do metropolitano no ramal ferroviário da Lousã em finais de 2010 e no traçado urbano de Coimbra em finais de 2012. No início de 2008 será lançado um concurso para os trabalhos a iniciar no Verão no ramal que liga Coimbra a Serpins, no concelho da Lousã, com passagem por Miranda do Corvo.

Circulação interrompida
ao longo de dois anos

Devido aos trabalhos na via, a circulação entre Coimbra e Serpins vai estar interrompida ao longo de dois anos, pelo que a solução passa por um transporte alternativo rodoviário. Os processos para a libertação do “canal” através da zona histórica na Baixa de Coimbra, com as aquisições ou expropriações de edifícios, seguindo-se as intervenções de requalificação necessárias em conjugação com as actividades camarárias e da Sociedade de Reabilitação Urbana, entidade criada entre o Estado e a autarquia, deverão ficar concluídos até ao final deste ano, início do próximo. Este processo deverá terminar quando for lançado o concurso público internacional do «canal de metropolitano até aos Hospitais da Universidade de Coimbra [HUC]», no próximo ano, para estar a funcionar em 2012. A intervenção no ramal ferroviário Coimbra-Serpins, outra vertente do projecto, a iniciar em 2008, para ficar concluída em 2010, teve, esta semana, a consignação de uma intervenção incluída no programa de acção.
A empreitada para a construção da interface rodo-ferroviário de Miranda do Corvo foi consignada, esta semana, por 816 mil euros. A obra contempla a requalificação da rede viária adjacente à futura estação ferroviária da sede de concelho e prevê a criação de estacionamentos, de vias de acesso e de zonas de circulação pedonal. Segundo Álvaro Maia Seco, nos próximos dias será consignada idêntica empreitada para a estação da Lousã e, de seguida, para a de Ceira.
«Em 2012 espera-se que esteja em funcionamento o troço entre Coimbra e Serpins, a aproveitar o ramal ferroviário, e o troço urbano até aos HUC, projecto que custará mais de 300 milhões de euros, o maior empreendimento público lançado nesta zona», acrescentou o presidente do Conselho de Administração da MM.
Álvaro Maia Seco acredita que a instalação do metropolitano se concretize no prazo programado, embora admita que pela natureza das intervenções, nomeadamente em centros urbanos, com expropriações e trabalhos técnicos para cumprir a legislação em vigor – ambiental, arqueológica ou patrimonial – possa haver alguns atrasos. «O que estou determinado é a fazer bem feito. Se houver atrasos cada entidade terá de assumir as suas responsabilidades», concluiu.

À espera que seja desta

«A obra começa a avançar», revelou Fernando Carvalho, presidente da Câmara Municipal da Lousã, apresentando a consignação da obra da interface da Lousã, prevista para o próximo dia 27, a exemplo do sucedido, esta semana, em Miranda do Corvo, como prova de que «as coisas estão a andar e vão concretizar-se».
Após apelar à compreensão dos utilizadores da actual linha entre Serpins e Coimbra, durante os dois anos em que a circulação vai estar interrompida, o autarca anunciou que «tudo isto vai trazer muitas vantagens». «Temos de pedir alguns sacrifícios aos utentes, mas, depois, vão ter um serviço de qualidade e assistir à concretização de um projecto com mais de uma década», concluiu.
Contactado pelo Diário de Coimbra, Carlos Encarnação falou numa «renovação do projecto, de acordo com os parâmetros definidos». O presidente da Câmara Municipal de Coimbra destacou o «atraso de dois anos» em relação ao que foi «assumido e prometido, publicamente, pelo ministro Mário Lino e a secretária de Estado Ana Paula Vitorino».
«Agora, é preciso que tudo corra bem», confidenciou Encarnação, ainda antes de considerar que 2008 vai corresponder a um «período crítico», uma vez que «o lançamento do concurso e a exploração são a parte mais difícil» de concretizar, de forma a que o projecto do “tram-train” seja «finalmente uma realidade».»
In Diário de Coimbra, 15.12.2007




«Reizinhos» invadem Penela

Penela visitada por centenas de "Reis Magos"

Durante toda a semana, Penela foi invadida por centenas de “reizinhos”, as crianças foram as grandes protagonistas do "Penela Presépio 07" nestes últimos dias.
Com coroas na cabeça, passearam os "reizinhos" pelas ruas da vila.

Milhares de visitantes continuam a passar pelo Penela Presépio deixando sempre uma marca no livro de visitas e levando boas e belas recordações.

Fonte: C.M.Penela

Este Natal vai ser Especial!


quarta-feira, dezembro 12, 2007

Progresso ou Regresso ao Passado?




terça-feira, dezembro 11, 2007

Consignação do Interface de Miranda do Corvo

Concerto de Natal


Alterações Climáticas: Esperança em Bali(!?)




«Na próxima semana inicia-se a conferência das Nações Unidas sobre as alterações climáticas em Bali, Indonésia, onde se espera que sejam tomadas decisões importantes para o período pós 2012, altura em que termina o período de cumprimento do protocolo de Quioto.
Infelizmente alguns países e responsáveis políticos ainda não acordaram para o problema das alterações climáticas. No entanto, é verdade que nunca como hoje foi possível testemunhar tão grande unanimidade à volta da urgência em reduzir as emissões de gases com efeito de estufa de forma a minimizar o fenómeno das alterações climáticas. Alguns países, como os Estados Unidos, apesar de cada vez mais estarem rendidos às evidências no que às alterações climáticas diz respeito, continuam a fechar os olhos em relação à necessidade de fazerem parte da solução.
O protocolo de Quioto é um importante passo na direcção certa e felizmente, apesar de não ter sido ratificado pelo maior emissor mundial de dióxido de carbono, os Estados Unidos, entrou em vigor em Fevereiro de 2005. O período de cumprimento 2008-2012, que agora se inicia, será o momento da verdade no que diz respeito ao seu verdadeiro valor prático. Quantos países o cumprirão? Conseguiremos reduzir em 5% as emissões de dióxido de carbono mundiais tal como está previsto? Mesmo que o protocolo de Quioto venha a ser um sucesso não será mais do que um pequeno passo que terá de ser seguido de metas muito mais exigentes sob pena de não conseguirmos evitar ou minimizar as consequências das alterações climáticas.
A conferência em Bali que se inicia na próxima semana é essencial para o chamado período pós-quioto. É fundamental chegar a um acordo sobre as novas metas de redução de gases com efeito de estufa para além do ano 2012 e sobre a forma como deverão ser alcançadas essas mesmas metas. É portanto uma das últimas oportunidades para que depois de 2012 não exista um interregno em termos de metas de redução de emissões, interregno esse que seria gravíssimo pois para evitar as alterações climáticas é necessário fazer uma corrida contra o tempo.»
Hélder Spínola, in http://www.quercus.pt

sábado, dezembro 08, 2007

36 Milhões para Fornecer Água a Seis Municípios



«Obras vão assegurar melhor fornecimento de água a cerca de 250 mil habitantes de Coimbra, Miranda do Corvo, Mealhada, Condeixa-a-Nova, Lousã e Penela

Foram ontem lançadas, pela empresa Águas do Mondego, as primeiras quatro obras, de um conjunto de sete, que vão integrar o Subsistema de Abastecimento de Água da Boavista, destinado a servir cerca de 250 mil habitantes de seis municípios: Coimbra, Miranda do Corvo, Mealhada, Condeixa-a-Nova, Lousã e Penela.»
In Diario de Coimbra



Na Agenda de Penela, mês de Dezembro de 2007

Agenda Cultural

Inauguração do Penela Presépio
8 de Dezembro
Castelo de Penela - 10h30



Espectáculo de Natal Com o Coro dos Pequenos Cantores de Coimbra
8 de Dezembro
Igreja da Misericórdia de Penela - 21h00



"Ho, Ho, Ho - A Caixinha de Música" - Companhia Teatral Encerrado para Obras
8 de Dezembro
Castelo de Penela - 16h30



"Submersão do Meu Ser" - pela Companhia de Dança de Almada - Inserido no Programa Território Artes
15 de Dezembro
Auditório Municipal - 21h00



Gala da Academia de Música - 150 Anos da Filarmónica Penelense
16 de Dezembro
Auditório Municipal - 17h00



Espectáculo de Patinagem Artística "Natal Sobre Rodas" - Clube de Patinagem do Sado
22 de Dezembro
Pavilhão Multiusos - 21h00

Performance de Patinagem no Gelo - Clube de Patinagem do Sado
23 de Dezembro
Pista de Gelo - Praça da República - 15h00






Agenda Desportiva

Torneio de Sueca - CDRP
8 de Dezembro
Pavilhão Multiusos - 09h30



II Open de Orientação de Penela - Orientação Nocturna Pedestre
15 de Dezembro
Área Urbana da Vila de Penela - 18h30



Outros Eventos

FESTA DE PASSAGEM DE ANO - Organização: Santa Casa da Misericórdia de Penela
31 de Dezembro
Pavilhão Multiusos - 20h00

quinta-feira, dezembro 06, 2007

Na Agenda de Miranda do Corvo, mês de Dezembro de 2007


Campanha de Doação de Medula Óssea


Penela participa no concurso Brisa Presépios de Portugal


A Câmara Municipal de Penela participa no concurso "Brisa Presépios de Portugal 2007". Numa iniciativa inédita, a Brisa lançou um concurso de presépios para o qual foram convidados os municípios com áreas de serviço nas auto-estradas daquela empresa. Os municípios aderentes concorrem com um presépio que estará exposto de 30 de Novembro a 6 de Janeiro de 2008.

O Município de Penela faz-se representar pelo presépio do Sr. António Vaz, uma peça que representa na perfeição os presépios mais tradicionais, que se encontra em exposição na Área de Serviço de Pombal.

Desde o dia 1 até dia 24 de Dezembro, os presépios concorrentes estão em votação no site da Brisa em http://brisa.loadbrand.com\.
Penela encontra-se em segundo lugar, para chegar ao primeiro necessitamos que todos votem, por isso, por favor colaborem e votem no presépio de Penela.

Votação em: http://brisa.loadbrand.com\

O Movimento “Open Source” já converteu a Europa e os EUA!


«Open Office – para Macintosh, Linux, Windows, programas de edição de vídeo, áudio, 3D, vectorial, motores de busca (Apache, Firefox), spyware, firewall’s, anti-virus, etc.; enfim, estamos perante um leque de programas “livres de chancela empresarial (Adobe, Macromedia etc.)” definidos como open-source – estes já fazem parte do dia-a-dia de grandes empresas norte-americanas e europeias para o sucesso nas várias tarefas que compõem a sua realidade profissional.

“Em dez anos, o ‘open-source’ deixou de ser usado apenas por estudantes, autodidactas... e passou a ser aceite por grandes organizações”»

In Despertar

quarta-feira, dezembro 05, 2007

Na Agenda da Lousã, Mês de Dezembro de 2007


Cultura - Dezembro de 2007

Até 16 de Dezembro

“Gentes e Lugares”, Exposição de Pintura de Axel Blotevogel


Local : Sala de Exposições Temporárias do Museu Etnográfico Dr. Louzã Henriques
Org.: Câmara Municipal da Lousã


Até 16 de Dezembro

Exposição de Ferromodelismo - Maquetes



Local : Átrio da Biblioteca Municipal da Lousã
Org.: Câmara Municipal da Lousã


07, 14, 17 a 21, 26 a 28 de Dezembro e 1 e 2 de Janeiro

Actividades na Biblioteca Municipal
7 e 14, a partir das 15h45m e 17 a 21, 26 a 28, e 1 e 2 (de Janeiro), a partir da 15h (Sala Infanto – Juvenil)


O Melhor Natal Do António, de Mónica Leal da Silva e ilustrações de Fernando Vilas-Boas;
O Cavalinho De Pau Do Menino Jesus, de Manuel António Pina e ilustrações de Danuta Wojciechowska;
Os Três Presentes, de Álvaro Magalhães e ilustrações de Pedro Morais;
A Noite De Natal, de Sophia de Mello Breyner Andresen e ilustrações de José Escada;
A Menina Dos Fósforos, de Andersen e ilustrações de Georges Lemoine;
Hoje É Natal, de José Vaz e ilustrações de João Caetano;
Uma Estrelinha Muito Especial Para A Noite De Natal, in O Livro Do Natal, de Maria Alberta Meneres e ilustrações de Rui Truta

Leitura acompanhada e animada de autores infanto-juvenis

Local: Biblioteca Municipal da Lousã – Sala Infanto-Juvenil
Organização: Biblioteca Municipal da Lousã / Câmara Municipal da Lousã
Apoio: Curso de Animadores Sócio-Educativo da Escola Profissional da Lousã




12 de Dezembro a 14 de Janeiro

Exposição de Desenhos “O País do Natal”
Trabalhos do concurso dos alunos do Pré escolar e dos 1º, 2º e 3º Ciclos das Escolas do Concelho da Lousã 14h30m – Entrega de Prémios e Inauguração da Exposição


Local: Sala de Exposições do Museu Etnográfico Dr. Louzã Henriques
Org.: CPCJ (Comissão de Protecção de Crianças e Jovens) da Lousã
Apoio: Câmara Municipal da Lousã




19 de Dezembro a 14 de Janeiro
Exposição de Postais de Natal


Local : Átrio da Biblioteca Municipal da Lousã
Org.: Câmara Municipal da Lousã



19 de Dezembro a 20 de Janeiro

Exposição de Presépios

Local : Sala de Exposições Temporárias do Museu Etnográfico Dr. Louzã Henriques
Org.: Câmara Municipal da Lousã


Desporto - Dezembro de 2007

15 de Dezembro das 09h às 18h

Basquetebol – Torneio de MiniBasquetebol


Local: Pavilhão Municipal nº2 (Anexo à Escola EB 2, 3 da Lousã)
Org.: Clube Desportivo Lousanense – Secção de Basquetebol
Apoio: Câmara Municipal da Lousã



22 de Dezembro das 09h às 18h

Andebol – Torneio de Natal


Local: Pavilhão Municipal n.º1 (Anexo à Escola Secundária da Lousã)
Organização: Clube Desportivo Lousanense – Secção de Andebol
Apoio: Câmara Municipal da Lousã



17 a 21, 26 a 28 de Dezembro e 02 de Janeiro

PROGRAMA FÉRIAS ACTIVAS - NATAL 2007




A Câmara Municipal da Lousã, a exemplo de anos anteriores, irá promover nos dias 17, 18, 19, 20, 21, 26, 27, 28 de Dezembro de 2007 e 2 de Janeiro de 2008 as “Férias Activas – Natal 2007”.

Este programa que se destina aos jovens com idades compreendidas entre os 6 e os 14 anos, é uma sugestão para a ocupação dos tempos livres, com inúmeras actividades lúdicas, desportivas e recreativas, durante o período das Férias Escolares de Natal.

Visando o desenvolvimento integral dos jovens, o Programa das Férias Activas contempla jogos desportivos colectivos, jogos pré-desportivos, jogos tradicionais, natação, mini-ténis e muito mais, sendo as actividades sempre acompanhadas por técnicos devidamente credenciados.

A frequência nas actividades de Férias Activas estará sujeita ao pagamento de uma taxa de inscrição no valor de 5€.

As inscrições e/ou solicitação de mais informações poderão ser efectuadas no Sector de Desporto e Tempos Livres da Câmara Municipal da Lousã até ao dia 12 de Dezembro de 2007 No 1º dia das actividades (17 de Dezembro), a concentração terá lugar no Pavilhão Municipal Nº2 (Anexo à Escola EB 2,3 da Lousã), pelas 14h.



Feiras e Festas - Dezembro de 2007

14 a 18 de Dezembro

Feira de Oportunidades do Móvel


Horário: Dia 14, 14h - 23h | Dia 15, 09h - 23h | Dia 16, 14h - 20h | Dias 17 e 18, 09h - 20h
Local: Pavilhão Municipal de Exposições da Lousã
Org.: Casa Santos (“Manelão”)


Outros Eventos - Dezembro de 2007

6 de Dezembro às 9h00m

Comemorações do Dia do Deficiente

Organização: EB 1 de Santa Rita
Apoio: Câmara Municipal da Lousã
Local: Cine-Teatro da Lousã


8 de Dezembro às 15h30m
Peça de Teatro O Doente Imaginário de Moliére
Representado pelo Grupo de Teatro do Centro C.D.S. de S. Frutuoso no âmbito do Programa de Apoio a Idosos

Local: Cine-Teatro da Lousã


14, 15 e 16 de Dezembro
Natal no Candal
Feira de artesanato de Natal numa Aldeia do Xisto da Serra da Lousã


Horário: dia 14, das 14.00. às 21.00 | dia 15, das 10.00 às 22.00 | dia 16, das 10.00 às 19.00
Org.: Ana Pinto, Antonieta Fontes Magro, Kerstin Thomas, Mário Meira
Apoio: CML, ADXISTUR


18 de Dezembro às 18h
Ciclo de Conferências Vamos Falar de Exclusão Social
As vítimas de crime e de violência e a exclusão social — Dr. João Lázaro (Associação Portuguesa de Apoio à Vítima)


Local: Auditório da Biblioteca Municipal da Lousã


5 de Janeiro ás 12h30m
Primeiro Convívio de Marinheiros do Concelho da Lousã

Contactos: 938485105 (Ferrão); 914375733 (Francisco); 918285053 (Serafim)
Local: Restaurante ARUNCE (junto à passagem de nível)


quarta-feira, novembro 28, 2007

À Descoberta do Talasnal


«Descobrir a gastronomia e cultura da aldeia lousanense Talasnal é o desafio que a Associação de Desenvolvimento Centro Dinamizador das Aldeias do Xisto propõe para este sábado.

Organizada em parceria com a empresa Sinergiae, a iniciativa promete fazer despertar os sentidos, com destaque para os aromas e perfumes da serra e o canto dos riachos, mas também para a degustação de uma refeição típica da aldeia.

As inscrições devem ser feitas preferencialmente até amanhã, dia 29. O preço promocional de lançamento é de 50 euros por pessoa, sendo que inclui todas as actividades, acções e o serviço de catering e workshop gastronómico, que consiste em almoço e lanche confeccionados a lenha.

Reservas pelos telefones 239 821 057, 962 929 069 ou pelo email reservas@sinergiae.pt. Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o JavaScript terá de estar activado para que possa visualizar o endereço de email Taslanal segue-se às aldeias de Janeiro de Cima, Gondramaz e Fajão.»

In Campeão das Provincias


Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o JavaScript terá de estar activado para que possa visualizar o endereço de email

segunda-feira, novembro 26, 2007

Quercus põe em causa avanço da obra do projecto Pescanova

«QUERCUS e Ambientalistas da Galiza Alertam para os Pecados Ambientais do empreendimento da Pescanova em Mira

Activistas da QUERCUS e de algumas associações galegas, nomeadamente ADEGA e Plataforma Vizinhal de Corrubedo, que têm acompanhado as consequências ambientais de projectos aquícolas, efectuaram uma acção de alerta no passado Sábado, dia 24 de Novembro, entre as 10:30 e as 12:00 horas, nos terrenos junto à Praia de Mira onde a PESCANOVA está desenvolver o Projecto Aquícola de Engorda de Pregado. Num cenário de cerca de 100 hectares de floresta arrasada, com dunas e solos mobilizados e maquinaria pesada presente no terreno, a QUERCUS irá colocar 5 bidões de cores diferentes, em alusão aos tanques de engorda que serão instalados e representando os cinco pecados ambientais deste projecto PIN em Rede Natura 2000. Os ambientalistas da ADEGA presentes nesta iniciativa estarão disponíveis para testemunhar as consequências ambientais negativas dos projectos aquícolas que a PESCANOVA tem desenvolvido na Galiza.

O que está em causa?



O Projecto Aquícola de Engorda de Pregado da Pescanova classificado como PIN (Potencial Interesse Nacional) está a ser desenvolvido no Sítio de Rede Natura 2000 “Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas”. A Quercus está a contestar em tribunal a venda do terreno por parte da Câmara Municipal de Mira à PESCANOVA e já interpôs uma providência cautelar em tribunal para evitar que a obra continue a degradar os habitats naturais existentes. O projecto está a ser implementado em Rede Natura 2000 onde existem três habitats prioritários em termos de conservação, em zona desafectada do Perímetro Florestal e da Reserva Ecológica Nacional e condicionada pelo Plano Director Municipal de Mira como Espaço de Salvaguarda Estrita.»



in http://www.quercus.pt

«A Quercus afirmou ontem que o avanço da obra do projecto da Pescanova, em Mira, desrespeita a decisão do Tribunal Administrativo de Coimbra, onde a associação ambientalista entregou uma providência cautelar a solicitar a suspensão dos trabalhos.



«As obras deviam ter sido paradas aquando das notificações judiciais [enviadas à Pescanova a 13 de Novembro e à autarquia de Mira um dia depois] e isso não aconteceu. O que está aqui em causa é um desrespeito pelos tribunais», disse à Lusa Hélder Spínola, dirigente da Quercus.
Entendimento diferente tem o Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional (MAOTDR) que, em comunicado, afirma que o requerimento de suspensão de eficácia da Declaração de Impacte Ambiental (DIA) do projecto aquícola de engorda de pregado, apresentada em tribunal pela Quercus, impede a continuação da sua execução, «salvo se for reconhecido que tal diferimento resulta gravemente prejudicial para o interesse público».
Nesse sentido o secretário de Estado do Ambiente, Humberto Rosa, reconheceu, em despacho datado de sexta-feira, os graves prejuízos para o interesse público resultantes de um eventual diferimento na execução da DIA «e determinou a continuação da sua execução, pelo que a realização das obras associadas ao projecto em questão podem prosseguir».
Segundo o MAOTDR, os graves prejuízos para o interesse público «estão relacionados com os riscos de inexecução do projecto até à data de 31 de Dezembro de 2008».


«Inexecução essa que representará não só um desperdício de fundos comunitários, em prejuízo do interesse público, como o inevitável comprometimento da instalação em Portugal de um projecto capaz de produzir um efeito estruturante para a economia portuguesa», frisa.
No entanto, a Quercus contesta os argumentos do Ministério do Ambiente, frisando que o despacho governamental «não é automático» e tem de ser enviado ao tribunal para decisão.


«Já esperávamos esse argumento, o Governo tem realmente esse mecanismo mas ele não é automático. O despacho tem de ser enviado para os tribunais e o juiz é que vai decidir», disse Hélder Spínola.
«Até isso acontecer as obras têm de estar paradas e não estão», acrescentou, anunciando que a Quercus vai contestar junto do Tribunal Administrativo de Coimbra o despacho do secretário de Estado do Ambiente.


Dinamizado pelo grupo Pescanova, o projecto “Acuinova” de Mira prevê a conclusão da primeira fase em 2008, passando a produzir 7 mil toneladas/ano de pregado, o que o transformará no maior centro de produção daquela espécie no mundo.


A “Acuinova”, que numa segunda fase espera produzir 10 mil toneladas/ano, prevê criar 200 postos de trabalho directos e mais 600 indirectos.


O projecto, localizado no sítio de Rede Natura 2000 Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas, é constestado pelos ambientalistas, que apontam impactes ambientais negativos da obra.


A Quercus diz existirem naquela área três habitats prioritários em termos de conservação e tratar-se de uma zona central ao sítio da Rede Natura 2000 onde o projecto vai potenciar o seu efeito negativo na fragmentação de habitats.


Por seu turno, o Ministério do Ambiente alega que apesar de o projecto se implantar em zona de Rede Natura 2000 «não serão afectados habitats prioritários nem serão afectados significativamente outros habitats naturais com estatuto de protecção legal, estando assim assegurada a não afectação da integridade do Sítio».
«Não obstante, as condições constantes na DIA permitirão salvaguardar os valores naturais existentes», frisa o MAOTDR.»


In Diário de Coimbra

sábado, novembro 24, 2007

«Vivó Porco» - Festival Gastronómico


Conhecido por reclamar para si o título de “Capital da Chanfana”, o município de Miranda do Corvo promove este fim-de-semana mais uma iniciativa dedicada à divulgação da gastronomia tradicional do concelho mas desta vez abordando as diversas maneiras de confeccionar a carne de porco.

“Vivó Porco”, iniciativa que a Câmara Municipal de Miranda do Corvo promove com o apoio da da Dueceira, pretende atrair visitantes ao concelho apelando-lhes ao paladar através de alguns pratos tradicionais como é o caso do sarrabulho e do bucho, ou até mesmo dos enchidos de carne de porco.

O festival gastronómico decorre a partir de hoje (sábado) e domingo, em mais de duas dezenas de restaurantes do concelho. A Parreirinha, Alheda-Caracol, Araújo, Brazão 2005, Café Dueça , Colher de Pau, Estação de Sabores, Fajú, Manjar do Dia, Brasileiro, Caniço, Careca, Carpinteiro, Dino, Espanhol, Ferrador, Grelhador, Pedroso, Retiro do Mendes, Telheiro, Paris e Teia são os estabelecimentos de restauração onde os visitantes poderão provar as diferentes especialidades confeccionadas à base de carne de porco e seus derivados.

In Campeão das Províncias



Miranda do Corvo é a “Capital da Chanfana” graças ao prestígio da gastronomia do concelho, nomeadamente a chanfana, os negalhos e a sopa de casamento, pratos à base da carne de cabra, promovidos pela autarquia.

Através da realização de várias iniciativas de divulgação gastronómica muitas pessoas têm visitado Miranda do Corvo e os restaurantes do concelho.

No entanto, a gastronomia de Miranda do Corvo não se esgota nos pratos à base de carne de cabra, sendo também muito expressivos na gastronomia concelhia os pratos à base de carne de porco, como por exemplo o sarrabulho, o bucho, os enchidos e o leitão, entre outros.

Dentro da lógica de defesa da gastronomia tradicional concelhia, a Câmara Municipal, com o apoio da UAC da Dueceira, vai realizar o fim-de-semana gastronómico dedicado à carne de porco, sob a sigla “VIVÓ PORCO”.

Parreirinha (sarrabulho, bucho recheado, pingo, febras), Alheda-Caracol (bucho recheado, sarrabulho, lombo assado), Araújo (sarrabulho, entremeada assada no forno, lombo assado), Brazão 2005 (espetada, entrecosto, grelhada mista), Café Dueça (bucho recheado, febras), Colher de Pau (bucho recheado, grelhada mista, naco de porco na telha, secretos de porco preto), Estação de Sabores (sarrabulho, secretos de porco), Fajú (febras, entrecosto, costeletas), Manjar do Dia (entrecosto, febras, grelhada mista, secretos de porco preto), Brasileiro (rojões à S. Martinho, grelhada mista, carne de porco à portuguesa), Caniço (bucho recheado, sarrabulho, febras, costeletas, entremeada), Careca (sarrabulho, febras, carne de porco à alentejana, grelhada mista), Carpinteiro (sarrabulho, costeletas, febras, lombo assado), Dino (sarrabulho, bifes enrolados, bifanas, carne de porco à alentejana), Espanhol (bucho recheado, sarrabulho), Ferrador (sarrabulho, leitão, grelhada mista), Grelhador (bucho recheado, sarrabulho, bifes de porco com cogumelos, pernil no forno), Pedroso (sarrabulho, bifanas, grelhada mista), Retiro do Mendes (bucho recheado, carne de porco à alentejana, lombo de porco assado), Telheiro (sarrabulho, carne de porco no espeto, naco à casa, costeleta na telha), Paris (sarrabulho, espetadas de porco, costeletas panadas e recheadas) e Teia (sarrabulho, febras de porco com castanha, arroz de carqueja) são os restaurantes aderentes onde os visitantes poderão degustar estes ricos pratos confeccionados à base de carne de porco, entre nos dias 23, 24 e 25 de Novembro.

A riqueza de uma terra é composta por vários factores: as suas gentes, o seu património, as suas paisagens, as suas tradições e a sua gastronomia. A promoção destes valores, nomeadamente a gastronomia, contribui para que essa riqueza não se perca, daí o empenho da Câmara Municipal na organização desta iniciativa que pretende divulgar o que de melhor tem o concelho.

In http://www.mirandadocorvo.com/index.php?pagina=noticias&id=73



Mercadinho do Botânico associa-se à Semana Nacional da Agricultura Biológica

«Apostando na divulgação da agricultura biológica, o habitual Mercadinho do Botânico associa-se hoje, 24 de Novembro de 2007, à segunda edição da Semana Nacional da Agricultura Biológica, que está a decorrer até ao próximo domingo, promovida pela Associação Interprofissional para a Agricultura Biológica.

Porque os produtos biológicos “continuam a ser pouco e mal conhecidos pela generalidade dos consumidores portugueses que, em boa parte, ignoram como podem contribuir para a sua saúde, para o seu bem-estar, para o ambiente equilibrado e o crescimento sustentável dos seus países e para o futuro dos seus filhos”.»

In Campeão das Províncias



Mais sobre Agricultura Biológica em:

http://www.agrobio.pt


«Tribunal de Contas põe em dúvida contas de Correia de Campos»

As dívidas do Serviço Nacional de Saúde (SNS) aumentaram 40% face ao ano anterior e o passivo dos hospitais-empresa disparou. Estas são conclusões de uma auditoria que contesta as contas apresentadas por Correia de Campos.
Ainda assim, o ministro declara-se «optimista face aos progressos» financeiros do SNS.

In Sol

«As Administrações das EPE ficam caras. E os pagamentos de serviços que estas contratam também!


Quando é que vai parar a destruição do SNS?


Parece-me importante divulgar esta mensagem para acabar com a campanha que o Ministro da Saúde e o governo querem fazer passar!»

Gabriela Francisco

Encerrado para Obras, Clones e Clowns

sexta-feira, novembro 23, 2007

Oficina de Dança Natural

Mosteiro de Semide em Obras!


«É desta», afirma a presidente da Câmara de Miranda do Corvo, perante a recente informação do gabinete do primeiro-ministro que dá conta da existência de verba para a realização das obras da 2.ª fase de recuperação do Mosteiro de Semide.

Coincidência ou não, nas vésperas da conferência de imprensa marcada pela Câmara Municipal de Miranda do Corvo para denunciar o atraso nas obras de requalificação do Mosteiro de Semide, o gabinete do primeiro-ministro informou a autarquia de que foi já aprovada uma portaria e que existe um protocolo assinado no qual está definida uma verba de dois milhões e meio de euros, dos quais 400 mil afectos a 2007, para avançar com a 2.ª fase da requalificação do mosteiro. A presidente da Câmara de Miranda do Corvo está, por isso, convicta que as obras no monumento nacional vão arrancar ainda este ano. Caso contrário «poderá perder-se irremediavelmente um património de valor inestimável, quase milenar».
As obras de recuperação do Mosteiro de Semide foram alvo de um protocolo celebrado em 1999, entre o Instituto do Emprego e Formação Profissional e a Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais. A 1.ª fase das obras só viria, contudo, a arrancar em 2003, sendo concluída no ano seguinte. Nesta altura teve início a preparação da 2.ª fase da obra (construção de salas que vão ser utilizadas pelo CEARTE, recuperação e consolidação do claustro e construção de uma sala que vai funcionar como museu de arte sacra), para a qual chegou a existir uma verba para permitir o início imediato desta empreitada. «Não se compreende que a obra não tenha ainda arrancado, passados que estão quase quatro anos após o final da 1.ª fase», lamentou ontem, em conferência de imprensa a presidente da autarquia.


Mas os “azares” do mosteiro não se ficaram por aqui. No ano passado as obras foram novamente adiadas na sequência de um despacho do secretário de Estado Adjunto e do Orçamento e, apesar «apesar das fases do concurso estarem concluídas e a obra preparada para se iniciar, a mesma não foi adjudicada e consignada» por problemas administrativos que dificultaram a resposta a solicitações do Tribunal de Contas, criticou Fátima Ramos.


São «adiamentos sucessivos e inexplicáveis» que levaram a autarquia a fazer diligências junto de todas as entidades (Governo, Assembleia da República e secretário de Estado da Cultura). «Felizmente, na sexta-feira fomos informados pelo gabinete do senhor primeiro-ministro que foi aprovada uma portaria e que existe protocolo assinado com validade de dois anos, no qual está definida uma verba de 2.500.000 euros, dos quais 400.00 euros são afectos a 2007», disse Fátima Ramos, que aguarda agora apenas pela publicação da portaria para que as obras e iniciem. «Acho que agora não há razões para que não comecem com as obras. Acredito que é desta», afirmou Fátima Ramos para quem a não realização das obras em falta coloca em risco o monumento que é património nacional e que, para além de todo o seu valor arquitectónico, é um mosteiro «com vida», onde funciona uma vertente formativa (pólo do CEARTE) e uma social (lar da Caritas Diocesana de Coimbra).



Mosteiro “vítima” de várias catástrofes



Obras urgentes para que não se perca o que ainda resiste



Fundado em 1154, o Mosteiro de Santa Maria de Semide foi inicialmente ocupado por monges beneditinos, transformando-se, mais tarde, num convento de freiras. Ao longo dos anos foram muitas as catástrofes que o atingiram e que ditam agora uma intervenção urgente. Só incêndios foram três, de grandes dimensões. Em 1664 um incêndio devorou a maior parte do edifício que foi reconstruído em 1697, com a actual igreja. Em 1964 novo fogo destrói a ala poente e, mais recentemente, em 1990, um outro incêndio destruiu o claustro velho, a casa do capítulo e a sacristia. A 25 de Outubro de 2006 parte do claustro ruiu. «No ano passado, aquando das intempéries, perdeu-se parte do claustro quinhentista. Urge iniciar de imediato as obras para que não se perca o restante», afirma a presidente da autarquia para quem a não continuidade das obras põe em risco o património e as intervenções já realizadas em 2003.”


in Diário de Coimbra

quinta-feira, novembro 22, 2007

Nova Biciletada

A realizar no próximo dia 30 de Novembro de 2007, com início às 18 horas, no Largo da Portagem, em Coimbra.
O link para mais informações:
http://www.massacriticapt.net/?q=sobre-a-massa-critica/massa-critica-em-coimbra

segunda-feira, novembro 19, 2007

Flexisegurança = Flexidesemprego + Instabilidade e Caos Social = Escravatura

Há uns dias atrás, em grandes parangonas, o primeiro-ministro anunciava que tinha criado 106.000 novos empregos, hoje soube-se que o número de desempregados qualificados tinha ultrapassado a fasquia dos 170.000 e que tinham aumentado os contratos a termo e o número de trabalhadores temporários…

Para além disso, segundo me confidenciaram há alguns dias atrás, as estatísticas do SNE, os números apresentados não correspondem à verdade…

Os números andam para cima ou para baixo, consoante os gostos do freguês.

Ao promover a flexisegurança em Portugal, Sócrates está a promover o desemprego, a incerteza no futuro, o trabalho precário, os baixos salários, a instabilidade social e o caos! Para não falar da manipulação e as jogatanas que há nos concursos com firmas da limpeza ou de segurança em vários serviços públicos, dava um filme «Corrupção II»…

Agora imaginemos o país cheio de firma de trabalhadores temporários, os tachos que não se iriam criar…

É certo que não estamos no Reino da Dinamarca, em que toda a população muda de emprego de 5 em 5 anos…

E os ordenados são outros!

Os recém licenciados vêem com apreensão o dia de amanhã, pois nada é certo.

Os patrões e a banca terão milhares de escravos prontos para o trabalho todos os dias, nas condições e nos termos, que quiserem.

Estranha-se ainda que se venha falar em mão-de-obra qualificada, quando o Ministro da Economia vai para a China anunciar os baixos salários praticados em Portugal…

De Socialista tem este governo pouco…

Terá Sócrates contabilizado os portugueses, que procuraram melhores paragens, depois do Partido Socialista ter ganho as eleições.

Quantos terão rumado a Angola, Espanha, Reino Unido e Suiça?

Por certo devem ultrapassar os 100.000 portugueses…

Amigos chegados de Angola e Luanda, dizem-me que a capital angolana se transformou num estaleiro imenso e que são cada vez mais os portugueses descontentes a desembarcarem naquelas paragens, com destino à capital angolana e não só… Participando no esforço de construção duma nação inteira, no maior «boom» económico a nível mundial.

Há quem fique mal disposto em terras angolanas vendo os negócios mais apetitosos fugir para mãos chinesas…

Pois só há habilidade para ajudar a Guiné Bissau e Timor Leste.

Para não falar do Estádio oferecido à Palestina…

Enquanto por cá se fecham Hospitais, Escolas e Serviços Públicos…

Tudo em nome do progresso e de Bruxelas.

Qualquer dia arriscamos-nos ao interior ficar deserto, a população envelhecida, pois os nossos jovens procuram melhores paragens e novas oportunidades.

Texto – Mário Nunes

Fim de Semana Gastronómico «Vivó Porco»

Encontro de Coros

sábado, novembro 17, 2007

Prestige: 5 anos depois quase tudo na mesma

«Cinco anos depois do acidente com o Prestige, o mar português, com área 18 vezes superior ao território terrestre e uma das cinco zonas económicas exclusivas maiores do Mundo, onde passa 30% do crude mundial em cerca de 12 petroleiros por dia, continua a mercê da ocorrência de marés negras.»

Ler mais em:

http://www.quercus.pt/scid/webquercus/defaultArticleViewOne.asp?articleID=2216&categoryID=567

quinta-feira, novembro 15, 2007

Ramal da Lousã: ainda há tempo para o defender?

«Debate conclui que electrificação é a solução mais eficaz para a linha.
A necessidade de fornecer mais informação ao público sobre as consequências da implantação do projecto do Sistema de Mobilidade do Mondego no Ramal da Lousã, a inadequação deste modelo de transportes a uma linha de montanha foram algumas realidades realçadas no debate alusivo à ferrovia, dia 10 de Novembro de 2007, no auditório da Biblioteca Municipal da Lousã. Uma iniciativa inserida nas comemorações do 40º aniversário do semanário Trevim e ainda no centenário do ramal.


Participaram na mesa de intervenções, João Silva, director do semanário Trevim, Casimiro Simões, jornalista, que já exerceu o cargo de director do jornal, Pedro Malta, presidente da Assembleia Geral da Cooperativa Trevim e Manuel Tão, investigador da Universidade do Algarve com mestrado e doutoramento concluídos em Londres acerca do caminho-de-ferro internacional.


Pedro Malta começou por traçar a história do Ramal da Lousã, apresentando também o livro “O Caminho-de-Ferro de Arganil” como uma interessante leitura para os interessados em saber as guerras políticas e os problemas orçamentais que fizeram com que o caminho-de-ferro não chegasse a Arganil, quando até se chegou a construir um túnel na garganta do Cabril.

De acordo com os participantes no debate, o Sistema de Mobilidade do Mondego trará diversos inconvenientes. Durante a execução da obra, implicará o encerramento do ramal ao longo de anos, sendo o transporte feito em autocarros, levantando-se questões como a quantidade de carreiras necessárias para transportar os actuais utentes da ferrovia, bem como as condições de entrada deste transporte rodoviário em Coimbra, nas horas de ponta. Prevê-se que muitas pessoas optem pela utilização do transporte particular causando maior afluência de tráfego na Estrada da Beira, já actualmente bastante congestionada. Estas pessoas foram consideradas clientes “perdidos” para o caminho-de-ferro, na medida em que provavelmente muito raramente voltarão ao comboio, ou ao eléctrico quando este estiver instalado.

“Temos o exemplo da Póvoa de Varzim, no Norte do país, em que, após a introdução do carro eléctrico, muitos utentes deixaram o caminho-de-ferro, porque se habituaram ao automóvel”, frisou Manuel Tão. Para o estudioso, o que se fez no corredor Lousado-Guimarães e no Porto-Póvoa de Varzim (em que se substituiu o comboio pelo metro) ilustra bem as vantagens da ferrovia em relação ao carro eléctrico.


“Ir lá, fazer as duas viagens, falar com as pessoas, ver o nível de satisfação e depois tirar as conclusões”, disse, reiterando que, quem viaja na linha electrificada, está mais satisfeito com o serviço. Foi sugerida, então, por um dos elementos do público, a organização de uma viagem ao Norte para demonstrar isso mesmo.
Manuel Tão preconiza a manutenção da linha da Lousã; a manutenção da sua ligação à rede ferroviária nacional; a respectiva electrificação em sistema de 25 mil volts; a adopção rápida de comando de tráfego centralizado que permite comandar à distância a mudança de linha, através do recurso a uma infraestrutura em fibra-óptica (que até já existe no Ramal, bem como uma subestação). “São benefícios possíveis de obter com um investimento pequeno, em seis meses e sem interrupção da linha”, frisou.
Considerou que o que se pretende instalar no ramal da Lousã não passa de um projecto híbrido, que pretende responder (mal) às necessidades urbanas de Coimbra e às de montanha do ramal. “O que vai acontecer é que este modelo não vai permitir que Coimbra tenha eléctricos rápidos e vai impedir a modernização do Ramal da Lousã, não fará nem uma coisa, nem outra”, realçou o investigador, acrescentando: “Coimbra tem um determinado padrão de procura e Miranda/Lousã outro. São densidades de ocupação e tempos de viagem completamente diferentes”, disse ainda.

Casimiro Simões, que moderou o debate, estranhou a ausência do presidente da Câmara Municipal da Lousã ou de um representante. De ressalvar que Fernando Carvalho foi convidado para o debate, mas respondeu nagativamente, por ter outro compromisso coincidente, a inauguração da feira do mel e da castanha.

“Sendo um dos municípios interessados em debater, é estranho que ninguém tenha vindo defender a sua posição, que também não se sabe qual é. Durante anos, o actual presidente da Câmara defendeu o metro, mas, no seu programa eleitoral em 2005 deixou cair o projecto metro para lhe chamar modernização do Ramal da Lousã”. O jornalista caracterizou a empresa Metro-Mondego como a “mais improdutiva” do país. “É um escândalo, são consumidos largos milhares de euros com salários e outras mordomias e não se fez nada pelo desenvolvimento de Coimbra”, disse, lembrando a relevância da linha para a própria cidade, tendo em conta a quantidade de pessoas que transporta.
Manuel Tão disse não acreditar que sejam feitas algumas obras a curto prazo, mesmo nas interfaces. “No domínio dos eléctricos, há um conjunto de investimentos que estão à cabeça destes. O meu vaticínio é que daqui a dois anos, tudo esteja igual como está, até porque em 2009 vamos ter eleições gerais e locais”.

O estudioso defendeu ainda que a Secretaria de Estado dos Transportes devia encomendar um estudo comparativo, à semelhança do que fez para o Algarve. “Em 2004 electrificou-se a linha a partir de Tunes para Faro, mas entre Tunes, Portimão e Lagos nada foi feito, tendo-se pensado posteriormente na introdução de carros eléctricos. Entretanto, a Secretaria de Estado actual pediu um estudo comparativo encomendado à Ferbritas, já apresentado, que conclui que a susbstituição de comboios por eléctricos era inviável em termos tecnológicos e financeiros, pretendendo-se agora a electrificação”.

Foram indicadas outras desvantagens do carro eléctrico: “as pessoas estão à espera de um transporte rápido, barato e eficiente. O metro vai trazer um aumento do preço das viagens e, depois das obras, haverá menor afluência de público”, referiu Paulo Cruz, lousanense trabalhador da CP, que defendeu a colocação de panfletos informativos nas estações e nas próprias automotoras para esclarecimento dos utentes.

Convites sem resposta

Para falar sobre o Ramal da Lousã, neste debate do dia 10, foram convidados elementos da CP, da Refer e da Liga de Amigos do Caminho-de-Ferro, mas, até ao momento, nenhuma resposta nos foi enviada.»

In Trevim, 14.11.2007

http://www.trevim.pt/noticia.asp?edcid=280&sccid=109&ntcid=5552#


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...