terça-feira, abril 08, 2008

Antes da Transformação do Ramal da Lousã


«O recém-criado Movimento de Defesa do Ramal da Lousã (MDRL) lançou uma petição exigindo que «qualquer alteração» na linha obedeça a um estudo dos custos e benefícios, disse ontem à agência Lusa fonte do movimento.


Em Janeiro deste ano teve início a primeira fase de implantação do projecto do Sistema de Mobilidade do Mondego (SMM), com o arranque das obras de construção das interfaces rodo-ferroviárias de Miranda do Corvo, Lousã e Ceira (Coimbra). O SMM prevê a instalação de um metro ligeiro de superfície do tipo “tram-train” - com capacidade para circular nos eixos ferroviários, urbanos, suburbanos e regionais - no Ramal da Lousã, entre Coimbra e Serpins (Lousã), e na cidade de Coimbra.


Segundo José Orlando Reis, do movimento, a petição exige que não «se avance para nenhuma transformação, sem que haja um estudo sobre os custos e benefícios para os utentes», entre electrificar o Ramal e colocar novo material circulante e a implementação do SMM.


«Havendo duas soluções, parece-nos uma situação esquisita avançar para um investimento tão grande sem realizar este estudo de relação entre os custos e benefícios», sublinhou.


A petição, disponível em ramaldalousa.blogspot.com, exige que o Governo realize um estudo que «pondere a electrificação e modernização das infra-estruturas e dos comboios», antes de «qualquer alteração definitiva».
O documento exige ainda que «qualquer alteração» garanta a «manutenção ou redução dos preços das tarifas cobradas, aumento da velocidade do transporte, número de lugares sentados, frequência do transporte, redução do impacto ambiental, manutenção da ligação à rede ferroviária nacional e a gestão pública do Ramal».


«Este Ramal não tem investimentos de fundo por parte da CP e da REFER há mais de vinte anos», referem os promotores do abaixo-assinado, acrescentando que «pouco se conhece das alterações que se pretende», apesar de existirem «dados que poderão colocar em causa a manutenção do serviço prestado».


O movimento recorda que «o Ramal da Lousã transporta mais de um milhão de passageiros por ano e tem uma importância fundamental para os utentes que o usam, garantindo a sua deslocação para o trabalho, mas também o acesso aos mais variados serviços públicos como os estabelecimentos de Educação e de Saúde».


O MDRL vai reunir pela segunda vez no próximo sábado, em Miranda do Corvo.


A petição será enviada ao primeiro-ministro, presidente da Assembleia da República, Câmaras Municipais de Coimbra, Lousã e Miranda do Corvo e à administração da sociedade Metro Mondego.


Num documento, a que a agência Lusa teve acesso, a secretária de Estado dos Transportes reafirmou, em Março, «o compromisso do Governo em concretizar a modernização do Ramal da Lousã» e garantiu a mesma «solução tecnológica» entre Serpins (Lousã) e Coimbra B.
Na missiva, enviada à presidente da Câmara de Miranda do Corvo, Ana Paula Vitorino prevê que a modernização da linha se desenvolva em três empreitadas, com o lançamento dos concursos públicos em Julho (troço Serpins-Miranda do Corvo), Setembro (Miranda do Corvo-Alto de S. João) e Outubro deste ano (Alto de S. João-Coimbra Parque).»

in Diário de Coimbra


http://ramaldalousa.blogspot.com


Comentário Meu (Mário Nunes):

Face a uma crise económica sem precedentes, desde a II Guerra Mundial, que o Governo Português não consegue vislumbrar;

Aos preços proibitivos do petróleo...

Há quem diga, que a procura é maior que a oferta e que inclusive poderá haver já poços secos na Arábia Saudita!

Estamos à beira de um choque petrolífero sem precedentes, com consequências imprevisíveis para toda a humanidade. E todos nós temos/teremos de (re)pensar a maneira como usamos a Energia ou como nos deslocamos.

E se os transportes de mercadorias se passarem a fazer por via férrea e se deixarmos de utilizar o automóvel particular?

Agora pagamos para reduzir a bitola, electrificar a linha e retirar o comboio pesado para metermos um mais leve na linha, com o beneplácito dalguns empresários e empreiteiros à espera que o «tram train» ou metro (Metro Mondego) passe no final dos seus terrenos e ao pé dos seus prédios e investimentos.

Daqui por 2 ou 3 anos, não pagaremos do nosso bolso, para que se voltem a meter os carris com a bitola normal e no traçado antigo, para passar o comboio pesado?

Não será tempo dos Autarcas envolvidos, dos responsáveis pela Metro Mondego e dos Governantes deste país emendarem a asneira e pensarem se vale ou não a pena colocar o Metro nos Carris ou em alternativa ligar o Ramal à Rede Ferroviária Nacional – Ramal de Tomar e Linha do Norte.

Não será tarde de mais para se fazer um debate como deve de ser com as populações envolvidas, sem políticas ou interesses de terceiros pelo meio?


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...