sexta-feira, março 21, 2008

A descoberta começa aqui...

22.03.2008 a 22.03.2008

Arganil inaugura primeiro Centro Interpretativo da Rede de Arte Rupestre nas Aldeias do Xisto

O Município de Arganil vai inaugurar o primeiro Centro Interpretativo da Rede de Arte Rupestre nas Aldeias do Xisto. O projecto financiado no âmbito do anterior Quadro Comunitário, envolve os Municípios de Arganil e do Fundão, com os Centros Interpretativos de Chãs d’Égua e do Poço do Caldeirão, respectivamente. O objectivo do projecto é criar mais um percurso temático no âmbito da oferta turística e educacional da Rede das Aldeias do Xisto.



Vai ser inaugurado, no dia 22 de Março de 2008, pelas 16h, o Centro Interpretativo de Arte Rupestre de Chãs d’Égua – Piódão, em Arganil.



A implantação do Centro Interpretativo em Chãs d’Égua, surge na sequência da descoberta de um significativo número de gravuras rupestres, nesta região de Arganil, atribuídas aos períodos compreendidos entre o Neolítico e o Bronze Final. A descoberta, até ao momento, de mais de cem rochas gravadas, faz deste local a mais importante concentração de arte rupestre no espaço que se estende entre o Tejo e o Douro/Baixo Côa.



Este espaço deverá também funcionar como Centro de Acolhimento para visitas guiadas a diversos núcleos de arte rupestre deste território, com especial destaque para Chãs d’Égua. Existe a convicção de que as gravuras descobertas no Piódão são apenas uma das pontas de um novelo muito mais complexo, inscrevendo-se a sua iconografia no contexto mais vasto da arte rupestre da Serra do Açor, pelo que se pretende também que esta iniciativa constitua o embrião de futuras parcerias que permitam a constituição de uma rota da arte rupestre nesta região.



Através de uma parceria entre os Municípios de Arganil e do Fundão, a Pinus Verde – Associação de Desenvolvimento pretende promover uma rede que ligará o Centro de Arte Rupestre de Chãs d’Égua ao Centro Interpretativo do Poço do Caldeirão – Barroca. Esta ligação em rede tem como finalidade, a promoção de uma identidade única da Arte Rupestre do Pinhal Interior no âmbito da oferta turística das Aldeias do Xisto. Refira-se que o projecto tem o acompanhamento técnico e institucional das autoridades nacionais competentes na matéria.

22.03.2008 a 23.03.2008

Páscoa em Aventura

Momentos de adrenalina e emoção na Páscoa de 2008!A Grau 5 sugere para a época da Páscoa um programa de fim-de-semana com mais aventura e emoção! Inclui canoagem no Rio Zêzere com visita às figuras rupestres da Barroca, BTT pela Rota do Mineiro e Paintball.

22.03.2008 a 22.03.2008

Canoagem - Descida do rio Alva

É a parte mais acessível do Rio Alva.Sector com 9km com 2 sectores distintos: a parte inicial com um açude de 2m e uma sucessão de pequenos rápidos até à paragem do almoço. A parte final tem um açude partido a meio que tem sempre uma passagem difícil. A partir daí apanha-se o efeito da Mini-Hidríca de Secarias e a água torna-se parada, praticamente até ao final. Embora possa ser realizado como iniciação à canoagem, recomenda-se experiência anterior, principalmente se o rio estiver forte.

22.03.2008 a 22.03.2008

Percurso Pedestre "Pedra da Ferida"

Inauguração do percurso pedestre "Pedra da Ferida".

O encontro está marcado para as 09:30h, junto à Capela do Calvário, em Espinhal, para um passeio pedestre inaugural deste percurso.

O troço tem cerca de 6 Km de distância e a dificuldade é média/baixa.

23.03.2008 a 23.03.2008

Orientação pedestre em Góis

Orientação pedestre com bússola e carta militar, em Góis.

24.03.2008 a 28.03.2008

Dar vida à Maternidade das Árvores

Voluntariado ambiental na Serra da Lousã.

A ideia é colaborar na implementação de uma maternidade de árvores onde a Lousitânea faz a reprodução de espécies arbóreas e arbustivas autóctones da Serra da Lousã. Estas espécies ocupavam outrora todo o coberto vegetal deste maciço da cordilheira central, mas hoje estão circunscritos a poucos redutos em locais de difícil acesso.

A Maternidade pretende reproduzir espécies como o Azereiro, Azevinho, várias tipos de Carvalho, Castanheiro, Folhado, Medronheiro, Plátano Bastardo, Sobreiro, Teixo, Ulmeiro, entre outras, e devolvê-las ao seu ambiente natural. Vão ainda contribuir para a criação de um percurso pedestre, construir ninhos para aves e um herbáreo de espécies autóctones, reproduzir árvores com recurso a estacas e sementes, ajudar a comunidade local em trabalhos agrícolas tradicionais.


Sentir-se-à a envolvência das Aldeias do Xisto de Aigra Nova e Comareira, em plena Rede Natuira 2000 da Serra da Lousã. É um espaço natural deslumbrante, com aldeias com população serrana, hospitaleira e com fortes tradições culturais, com as quais os participantes terão oportunidade de interagir.


Duas tardes durante o programa os participantes terão oportunidade de fazer actividades de desporto aventura na vila de Góis.

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...