sábado, janeiro 09, 2010

Ramal da Lousã: Movimento Cívico considera encerramento "precipitado e injustificado"

Coimbra, 07 Jan (Lusa) - O Movimento Cívico da Lousã e Miranda do Corvo considerou hoje que o encerramento do Ramal da Lousã foi “precipitado e injustificado”, uma vez que as obras não tiveram início.

A linha ferroviária da Lousã, que liga Serpins a Coimbra, encerrou na totalidade na segunda-feira para permitir a realização das obras do metro ligeiro de superfície.

“Verificamos que as obras não tiveram início pelo que o encerramento foi precipitado e injustificado. Desnecessariamente as pessoas deixaram de poder utilizar as automotoras e são obrigadas a transportes rodoviários, mais poluentes, mais perigosos, menos fiáveis e mais demorados”, denuncia o movimento em comunicado.

O movimento, que estava sem actividade conhecida há cerca anos, pronunciou-se hoje sobre o assunto.

O arranque dos trabalhos da primeira empreitada, entre Serpins (Lousã) e Miranda do Corvo, foi assinalado há um mês, num acto em que participaram autarcas, o presidente da Metro Mondego, Álvaro Maia Seco, e o governador civil de Coimbra, Henrique Fernandes.

No dia 02 de Dezembro, os comboios deixaram de circular naquele troço, com as ligações Serpins-Miranda a serem efectuadas por serviços alternativos de autocarro.

Segunda-feira, a solução rodoviária passou a vigorar em todo o trajecto principal do Ramal da Lousã, de Serpins a Coimbra.

“Esta decisão precipitada causa prejuízos às pessoas que utilizavam o ramal, sobrecarregando desnecessariamente o trânsito rodoviário nas estradas Miranda - Coimbra, prejudicando os restantes condutores, sendo ainda uma medida anti-ambiental”, considera o movimento, que é constituído por personalidades de vários quadrantes políticos.

Salientando que sempre defendeu “uma solução mais racional para o Ramal da Lousã, com menores custos de investimento e mais barato no funcionamento”, aquela estrutura refere que não lhe resta “outra solução que não seja a fiscalização das promessas do Governo na realização do projecto Metro Mondego dentro dos prazos”.

Acusa ainda o Governo de despesista ao insistir no projecto do metropolitano ligeiro de superfície em detrimento da electrificação e colocação de novo material circulante e de, agora, beneficiar “os proprietários dos autocarros alugados ao serviço da Metro”.

“Para eles foi um bom início de ano, com aumento da facturação e dos lucros”, ironiza o movimento.

Segundo fonte da Metro Mondego, no dia 18 de Janeiro será consignada a totalidade da primeira empreitada até Miranda do Corvo e a segunda intervenção, que vai chegar até ao Alto de São João, numa cerimónia que deverá contar com a presença do novo secretário de Estado dos Transportes.

Fonte: Lusa


2 comentários:

Anónimo disse...

O que eu gostava de saber era onde andou o Movimento Cívico todo este tempo... apetece-me dizer "depois e casa roubada... trancas à porta" como quem diz não fizeram nada para evitar que a casa fosse roubada e agora vêm reclamar...tarde piaste!!!!!!!
Mas será que estes senhores(as) também andam nos transportes alternativos? deviam experimentar...

Blogotepeque disse...

Hola amigo(a) bloguero(a)
Blogotepeque se complace en anunciarte que en Enero se desarrollará la 4ta edición del concurso Iron Blogger ( http://www.blogotepeque.com/2009/05/iron-blogger-presentacion-y-reglas.html) .
Otra buena nueva es que tu blog está siendo revisado por el Comité Ejecutivo de Blogotepeque y se convierte en candidato de alcanzar uno de los Premios BlogÓscar.
Para mayor información visita el sitio Blogotepeque http://www.blogotepeque.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...